1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Moody's retira selo de bom pagador do Brasil

Agência segue passo já dado pela Standard & Poor's e Fitch e rebaixa avaliação de crédito do país para o grau especulativo, com perspectiva de evolução negativa. Decisão torna financiamentos no exterior mais caros.

A agência de classificação de riscos Moody's rebaixou a avaliação do crédito soberano do Brasil para abaixo do nível de investimento, na prática retirando o selo de bom pagador do país.

A nota passou de "Baa3", último nível do grau de investimento, para "Ba2", já no grau conhecido como especulativo. A perspectiva de evolução é negativa, ou seja, é provável que haja nova redução na próxima avaliação.

A Moody's segue, assim, movimentos semelhantes feitos pelas agências

Standard & Poor's

e

Fitch

, que também haviam retirado o grau de investimento do Brasil. A decisão torna o custo do financiamento, não só do governo, mas também das empresas, mais caro.

Segundo a Moody's, um dos motivos que levou ao rebaixamento foi a perspectiva de maior deterioração dos indicadores de dívida do Brasil, em um ambiente de baixo crescimento, com a dívida do governo provavelmente superior a 80% do Produto Interno Bruto (PIB) em três anos.

"Esperamos um crescimento negativo do PIB, em média, de 0,5% entre 2016 e 2018 e, adicionalmente, esperamos que as taxas de juro se mantenham elevadas em termos reais, o que vai contribuir para uma dívida pública pouco sustentável, com os pagamentos dos juros a representarem mais de 20% das receitas do governo", afirmou a Moody's em nota.

A agência também citou as dinâmicas políticas desafiadoras, que devem continuar dificultando esforços de consolidação fiscal e atrasando reformas estruturais.

O anúncio da Moody's era esperado pelos mercados, que reagiram de forma contida. Mesmo assim assim, é mais um revés para o governo Dilma Rousseff, que, além do processo de impeachment e da impopularidade, enfrenta pressão crescente para relaxar seus esforços fiscais e estimular o crescimento econômico.

AS/abr/rtr/lusa

Leia mais