1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Monumentos da era industrial ganham nova vida

Trienal do Ruhr faz de antigas fábricas palco de apresentações teatrais e de música, sob a batuta de Gérard Mortier, durante dez anos diretor do Festival de Salzburgo.

default

Gérard Mortier, diretor do festival

Velhos galpões de máquinas, minas de carvão e altos-fornos desativados estão despertando para uma nova vida na região do Ruhr, no oeste da Alemanha. Eles vão servir de palco para o requintado programa da Trienal do Ruhr, que começou neste sábado (31), com grande entusiasmo do público.

Em 2002, 2003 e 2004, serão levados em 14 diferentes localizações entre as cidades de Hamm e Duisburg, mais de 70 representações teatrais, concertos e exposições. O programa deste ano estende-se até 13 de outubro e conta com a participação de conhecidos nomes do exterior, entre os quais a atriz francesa Isabel Adjani e os diretores Patrice Chéreau e Peter Sellars.

Passado e identidade — A região que foi o principal centro de produção da máquina de guerra de Hitler e o motor do milagre econômico do pós-guerra presta-se na atualidade, como nenhuma outra, para uma reflexão acerca da Alemanha, na opinião de Gérard Mortier, diretor do festival.

A reflexão sobre o passado alemão e a identidade alemã é, assim, o fio condutor do programa deste ano. O espetáculo musicado de abertura do evento é intitulado Alemanha, tuas canções ( Deutschland, deine Lieder), em alusão ao nome do hino nacional, cujo texto é a Canção dos Alemães ( Das Lied der Deutschen), escrita em 1841 pelo poeta Hoffmann von Fallersleben.

Outros pontos altos são a montagem de Sellars de Os Filhos de Herácules, de Eurípides, bem como a estréia mundial do White Oak Dance Project, coreografia de Richard Move, com o ícone da dança Mikhail Baryshnikov.

No ano que vem, Mortier pretende concentrar-se na cultura francesa, na elaboração do programa.

Entre Salzburgo e Paris Gérard Mortier, que dirigiu o Festival de Salzburgo durante dez anos com grande sucesso, já tem um contrato para 2004: será o diretor-geral da Opéra National de Paris. Essa nomeação gerou descontentamento na Alemanha, com muitos temendo que o compromisso de Mortier com a região do Ruhr fosse para ele um simples intermédio.

Em suas entrevistas recentes, o belga busca dissipar o ceticismo, acentuando o quanto acredita no potencial da antiga região industrial que, em sua opinião, possui "uma grande força emocional" em função de suas diferentes camadas sociais. "Vejo a Trienal do Ruhr como um grande experimento, que demonstrará se serei capaz de transmitir a arte clássica a um público moderno." E completa: "Estou certo desde já de que minha época mais feliz será aqui nesta região."

Links externos