1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Monumento à heroína da resistência contra nazismo

Com a inauguração de um busto de Sophie Scholl no Walhalla, 60 anos após sua execução, a resistência contra o regime nazista passa a ser rememorada ao lado dos heróis da nação germânica.

default

Sophie Scholl foi executada juntamente com o irmão Hans (esq.) e o amigo Christoph Probst

Um dos mais conhecidos monumentos da nação germânica — o Walhalla, construído entre 1830 e 1842 por incumbência do rei Ludovico I da Baviera — está sendo enriquecido neste sábado (22) com o busto de mármore de Sophie Scholl e uma plaqueta em homenagem a todos os que resistiram ativamente contra o regime de Adolf Hitler. Sophie Scholl, executada pelos nazistas a 22 de fevereiro de 1943, passa a ser a quinta mulher ao lado de 122 heróis da nação perpetuados no monumento próximo a Regensburg, às margens do rio Danúbio.

A iniciativa, que partiu da deputada estadual social-democrata Hildegard Kronawitter, encontrou resistência por parte de muitos que consideram uma tal homenagem fora de moda. No entanto, Kronawitter espera, com a inclusão explícita do antinazismo entre os heróis da história, dar impulso a uma revalorização do monumento, que costuma servir de ponto de encontro e de referência para nacionalistas e extremistas de direita.

O grupo Rosa Branca

Sophie Scholl, que tinha 21 anos ao ser executada, foi uma das iniciadoras do movimento de resistência Rosa Branca, ao lado do irmão Hans, três anos mais velho, e de outros universitários e intelectuais. A partir do verão de 1942, o grupo passou a conclamar a população, em panfletos que surgiam em diferentes cidades, à resistência pacífica contra o regime de Hitler.

A 18 de fevereiro de 1943, Sophie, Hans e seu amigo Christoph Probst distribuíam um novo panfleto — o sexto de sua autoria — pelos corredores da Universidade de Munique, onde estudavam, quando chamaram a atenção de um zelador. Presos, os três jovens foram julgados e condenados à morte quatro dias mais tarde. Apenas três horas após o pronunciamento da sentença, morreram decapitados.

Novos documentos confirmam convicção

A correspondência entre Sophie Scholl e seu noivo, o oficial Fritz Hartnagel, a qual veio à luz somente há pouco tempo, revela que a moça estava melhor informada sobre o que se passava no front de guerra do que se imaginava. Hartnagel, que estava lutando no Leste, narrava em suas cartas sobre crimes cometidos contra soldados do Exército Vermelho e o extremo sofrimento da população. Sophie, por sua vez, embora se referisse em tom amargo aos desmandos dos nazistas, ocultou do namorado sua atividade na oposição.

Os relatos do noivo podem ter reforçado em Sophie sua convicção e a resistência contra o regime, acredita Silvester Lechner, diretor do Centro de Documentação sobre o Nazismo da cidade de Ulm, especializado em assuntos relacionados com os irmãos Scholl. Uma leitura pública das cartas nesta sexta-feira faz parte das homenagens a Sophie Scholl nos 60 anos de sua execução.

Leia mais