Monti apela para que Parlamento aprove pacote de austeridade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.12.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Monti apela para que Parlamento aprove pacote de austeridade

Primeiro-ministro italiano apela pela aprovação de seu pacote para combater a crise, afirmando que a Itália está ameaçada de um colapso. Comissão Europeia sauda o programa. Sindicatos anunciam protestos.

default

Monti se diz confiante de que Parlamento vai aprovar pacote

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, apelou nesta segunda-feira (05/11) pela adoção de seu programa de combate à crise e afirmou que a Itália está ameaçada de um "colapso" se o Parlamento não aprovar as medidas. A Comissão Europeia saudou o programa de austeridade, acordado pelo gabinete no domingo.

O pacote prevê um impacto orçamental de mais de 20 bilhões de euros até 2014. Entre outros, estão previstos um aumento no imposto sobre imóveis, a introdução de um imposto de luxo, medidas contra a evasão fiscal e o aumento da idade de aposentadoria para 66 anos, no caso dos homens, e 62 anos para as mulheres.

"Acreditamos que a Itália entrará em colapso sem esse pacote", disse Monti, em referência à Grécia, que teve de ser resgatada várias vezes por programas de ajuda internacional. Ele se mostrou confiante, no entanto, de que o programa de austeridade vai ser aprovado pelo Parlamento italiano. O aval dos parlamentares é esperado para antes do Natal.

Contribuição italiana

Symbolbild Rente Rentner Geld Kaffeedose

Plano prevê aumento de idade de aposentadoria

"Com o programa, a Itália dá sua contribuição para a luta contra a crise do euro", disse Monti. Segundo ele, para que a Itália continue a ser um parceiro com credibilidade e respeito na Europa e no mundo, o país deve resolver os seus "grandes" problemas. "Somos obrigados a agir, e estamos confiantes de que podemos resgatar a Itália através de esforços conjuntos", disse Monti.

A dívida da Itália, de cerca de 1,9 trilhão de euros, corresponde a 120% do Produto Interno Bruto (PIB) italiano. Além de corte de gastos e aumento de impostos, o programa também prevê que a economia italiana seja estimulada com mais de 10 bilhões de euros, a serem investidos em programas de incentivo à entrada de mulheres e jovens no mercado de trabalho e ao desenvolvimento da região sul do país.

Elogios europeus

A Comissão Europeia afirmou que o pacote de austeridade italiano está "na direção certa" e contribui para os esforços da zona do euro para dar uma resposta "arrojada" à crise.

"As medidas tomadas ontem são muito importantes", afirmou o porta-voz para assuntos econômicos da Comissão, Amadeu Altafaj. "Eles definitivamente estão indo na direção certa de reformas estruturais decisivas", acrescentou.

Italien Euro Demonstration in Rom gegen Sparhaushalt

Sindicatos anunciaram protestos contra pacote

O severo orçamento adotado pelo gabinete de Monti no domingo chega nas vésperas de um importante encontro de cúpula na quinta e sexta-feira, quando os líderes europeus tentarão elaborar um plano para garantir maior disciplina fiscal na zona do euro. "Todos esses elementos contribuem para tornar a nossa resposta à crise mais ousada, mais eficaz, mas ainda há muito por fazer", reconheceu Altafaj.

Passo importante

O comissário de Assuntos Econômicos da UE, Olli Rehn, saudou as medidas, mas pediu para que Roma faça ainda mais. "Este pacote é um passo muito importante para fortalecer as finanças públicas e apoiar o crescimento econômico", avaliou Rehn, acrescentando que a Comissão faria uma "avaliação detalhada" das medidas, assim que recebesse todos os detalhes.

"O baixo potencial de crescimento da economia italiana não pode ser corrigido do dia para a noite, mas as medidas anunciadas vão ajudar a remover alguns obstáculos ao crescimento", disse. "É fundamental manter o ritmo na reforma econômica e da renovação política, para que sejam tomadas outras decisões que podem trazer mais crescimento e mais e melhores empregos de forma justa."

Protestos

Duas confederações sindicais italianas convocaram os trabalhadores para duas horas de paralisação no dia 12, em protesto contra o plano de austeridade e a reforma das aposentadorias divulgado neste domingo. As organizações pretendem "pedir a abertura de uma negociação", em particular sobre a reforma das regras para aposentadoria.

MD/afp/dpa/lusa/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais