1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Moderado Rohani é reeleito no Irã

Com vitória já no primeiro turno, somando 57% dos votos, presidente Hassan Rohani segue no cargo por mais quatro anos e poderá prosseguir sua política de abertura internacional. Votação teve mais de 70% de participação.

Presidente iraniano, Hassan Rohani

Presidente iraniano, Hassan Rohani: vitória permite continuação de política de abertura

O presidente do Irã, o moderado Hassan Rohani, teve sua vitória confirmada neste sábado (20/05) na eleição presidencial iraniana, sendo reeleito já no primeiro turno para um segundo mandato de quatro anos. Ele conquistou 57% dos votos, segundo os resultados finais.

Entenda que poderes tem o presidente no Irã

O ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, anunciou que Rohani obteve mais de 23 milhões de votos, enquanto seu principal rival, o clérigo conservador Ebrahim Raisi, conseguiu mais de 15 milhões, equivalente a 38,5% dos votos.

Os outros dois candidatos, os ex-ministros Mostafa Mir-Salim e Mostafa Hashemitaba, obtiveram aproximadamente 478 mil e 245 mil votos, respectivamente.

Fazli disse, na sede do Ministério do Interior, que haviam sido apurados 99,7% dos votos, de modo que os resultados são definitivos.

Segundo o ministro, a votação teve participação de 73% dos eleitores, já que compareceram às urnas 41,2 milhões das 56,4 milhões de pessoas aptas a votar.

"Hoje é um grande capítulo de honra na história do Irã. O povo iraniano mostrou ao mundo que nós somos defensores da Revolução Islâmica e estamos unidos", afirmou. O ministro também destacou que o povo iraniano protagonizou "uma epopeia com a sua grande participação" e dessa forma determinou "o seu destino".

A disputa eleitoral ficou dividida entre Rohani e Raisi, sobretudo com a desistência do prefeito de Teerã, Mohammad Bagher Ghalibaf, e se transformou numa espécie de plebiscito sobre o projeto moderado e de abertura do atual presidente.

A vitória de Rohani permitirá ao religioso moderado prosseguir com sua política de abertura ao Ocidente, marcada por um acordo nuclear assinado em julho de 2015 e a consequente recuperação econômica do país, graças à suspensão das sanções internacionais.

O governante também insistiu durante a campanha eleitoral na sua defesa dos direitos civis e das liberdades pessoais, que, na sua opinião, corriam perigo caso conservadores retornassem ao poder.

MD/lusa/efe

Leia mais