Missão da Otan na Líbia termina com êxito militar e custo diplomático | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Missão da Otan na Líbia termina com êxito militar e custo diplomático

Tropas da Otan deixam o país africano depois de sete meses de ação militar. Para chefe da aliança, mandato histórico foi "bem-sucedido". Por outro lado, críticos dizem que missão deixou como herança racha diplomático.

default

Forças da Otan começam retirada da Líbia

Foram sete meses de missão: nesta segunda-feira (31/10), a aliança militar internacional transfere a responsabilidade pela segurança da Líbia ao Conselho Nacional de Transição. Paralelamente, o mandato das Nações Unidas chega ao fim – a zona de exclusão aérea e a autorização para ação militar com finalidade de proteger a população do país africano também expiram.

O país agora é livre e Kadafi está morto. Depois de os rebeldes terem tomado o poder e assassinado o ditador, que ficou no comando por quatro décadas, a Otan não tem mais nada a fazer na Líbia.

"A nossa missão está cumprida", disse Anders Fogh Rasmussen, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Segundo ele, o "mandato histórico" das Nações Unidas foi cumprido por completo e essa teria sido "uma das missões mais bem-sucedidas da história da Otan".

No entanto, o fato de a morte de Kadafi ainda não ter sido totalmente esclarecida e de o corpo do ditador ter sido exposto publicamente podem comprometer tal sucesso. Segundo Alain Juppé, ministro francês do Exterior, a morte de Kadafi não era o objetivo da ação. "O nosso alvo era forçá-lo a renunciar", completou.

Alto preço diplomático

USA UN Sicherheitsrat in New York zu Libyen

Votação de resolução sobre a Líbia levou a racha diplomático

Dentre os 28 países ligados à Otan, doze participaram diretamente da missão militar na Líbia, liderados pela França, Reino Unido e Estados Unidos. A Alemanha decidiu votar contra a ação no Conselho de Segurança e, por isso, despertou a irritação de alguns membros da aliança.

Desde março, os aviões da Otan sobrevoaram o país africano cerca de 26 mil vezes – a aliança administrou a área de exclusão aérea, bombardeou as tropas de Kadafi e os locais de armazenamento de armas, além de ajudar os rebeldes a abrir caminho rumo à tomada do poder. Nenhum soldado da Otan foi morto durante a missão. Entre os combatentes rebeldes e os aliados de Kadafi, o número de vítimas continua incerto - pode chegar aos dez mil.

Para Thomas Jäger, professor de política internacional da Universidade de Colônia, a missão militar na Líbia foi, sem dúvidas, bem-sucedida. "Politicamente, no entanto, o efeito é outro. A resolução líbia provocou um profundo racha entre os que lideraram a ação, como Reino Unido, França e Estados Unidos, e aqueles que se abstiveram, como China, Rússia, Brasil e Alemanha", analisa.

Além disso, a União Europeia (UE) viveu uma situação embaraçosa ao não adotar um discurso único. "A UE não tinha condição de lidar com um conflito à sua porta. A missão teve um alto preço diplomático", completa Jäger.

Armas químicas

A Otan também não deveria adotar a ação na Líbia como modelo para o futuro – afinal,, nem todas as missões podem ser conduzidas apenas por ar e com risco relativamente baixo, sem presença de tropas terrestres. Segundo Robert Gates, ex-ministro norte-americano da Defesa, a missão na Líbia deixou os problemas da Otan mais visíveis. para ele, existem alguns países da Otan que absorvem os encargos e riscos das missões, e outros que "usam as vantagens da aliança, mas não gostam de assumir os riscos".

Libyen Berichte über Festnahme Gaddafis nicht bestätigt

Derrubada e morte de Kadafi não faziam parte do mandato

Thomas Jäger vê ainda outro problema na missão na Líbia: a aliança militar extrapolou o mandato das Nações Unidas. A resolução 1973 da ONU permitiu que "todas as medidas necessárias" fossem tomadas para proteger a população civil líbia dos ataques das tropas de Kadafi.

A meta mais importante da missão, entretanto, veio à tona no 15 de abril, nas páginas do jornal britânico Times, do espanhol Fígaro e do norte-americano Washington Post : "Kadafi deve partir e para sempre", diziam o presidente norte-americano, Barack Obama, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

Assim foi estabelecido um alvo de guerra que não fazia parte da resolução da ONU, explica Jäger. O fato de a Alemanha não ter participado da ação na Líbia é "justificável", diz o especialista. Não era óbvio que a missão correria tão bem para a aliança. Para a Otan, "o melhor cenário virou realidade" na Líbia.

Herança do regime

O comando líbio de transição confirmou neste domingo a existência de armas químicas na Líbia. O atual primeiro-ministro Mahmoud Jibril disse que a Líbia não tem interesse em manter o armamento e que aguarda a chegada de inspetores internacionais até o fim da semana para tomar conta da situação.

"Nós queremos assegurar a todos que a nova Líbia será pacífica e que não temos interesse em manter armas aqui", comentou Jibril. Na última semana, um enviado da ONU havia dito que armazéns clandestinos com armas químicas haviam sido localizados.

Uma resolução esboçada pela Rússia, que deve ser votada ainda nesta semana, pede que as autoridades líbias destruam os estoques desse tipo de armamento num trabalho conjunto com a comunidade internacional.

Autora: Miriam Klaussner / Nádia Pontes
Revisão: Francis França

Leia mais