1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministros europeus debatem escândalo da carne de cavalo

Autoridades da União Europeia tentam descobrir extensão do problema para definir medidas a serem tomadas junto à indústria alimentícia. Na Alemanha, até agora não foram encontrados vestígios de fraude.

Nem mesmo as autoridades conhecem ainda a extensão do escândalo da carne de cavalo em comidas congeladas na Europa. O secretário britânico do Meio Ambiente, Owen Paterson, convocou uma reunião de emergência com representantes da indústria alimentícia para discutir as possíveis medidas a serem tomadas, e ordenou investigações em todos os produtos que contenham carne bovina. Nesta quarta-feira (13/02) os ministros da União Europeia se reúnem para debater situação.

O escândalo teve início em janeiro, quando vestígios de carne equina foram encontrados em hambúrgueres vendidos em supermercados no Reino Unido e na Irlanda. Já na semana passada, testes demonstraram que a carne vermelha de lasanhas congeladas poderia conter até 100% de carne de cavalo.

As primeiras investigações levaram a fabricantes na França, que importam carnes de países do Leste Europeu, como a Romênia. Mas as autoridades francesas e europeias ainda não conhecem a extensão da fraude de substituição irregular da carne bovina pela equina.

O primeiro-ministro romeno, Victor Ponta, afirmou que testes realizados em seu país não indicaram qualquer violação de leis romenas ou europeias por parte das empresas alimentícias.

Direitos do consumidor

Na semana passada, a rede de supermercados alemã Kaiser's Tengelmann decidiu, como medida de precaução, retirar todas as lasanhas congeladas das prateleiras para que pudessem ser examinadas. Na segunda-feira, a ministra alemã da Agricultura, Alimentação e Defesa do Consumidor, Ilse Aigner, esclareceu que não existem, até o momento, quaisquer evidências de que haja produtos contendo carne equina na Alemanha.

Jürgen Knirsch Sprecher Greenpeace

Jürgen Knirsch, porta voz do Greenpeace, critica a falta de informação nas embalagens dos alimentos

"Se existissem provas, esse seria um caso de fraude contra o consumidor", afirmou a porta-voz do ministério, Ariane Girndt, em entrevista à DW. A legislação, no entanto, não considera como risco para a saúde a mistura de diferentes tipos de carne em comidas congeladas.

Identificação de procedência

Para o porta-voz do Greenpeace, Jürgen Knirsch, o escândalo da carne de cavalo revela a falta de informação nos rótulos das embalagens de alimentos na Alemanha. As informações sobre a cadeia de produção, diz ele, são muito confusas. "Precisamos de sistemas mais claros de identificação da origem dos alimentos", afirmou o especialista em consumo sustentável à DW. "Queremos saber não apenas o conteúdo, mas também de onde vem a carne."

Tecnologias para esse fim já estão disponíveis, mas não são amplamente utilizadas em razão dos altos custos. Com um sistema chamado F-Trace, os consumidores podem, pela internet, refazer a rota dos alimentos produzidos na Alemanha até o agricultor. "Mas se hoje eu compro alimentos na Irlanda e amanhã no Chipre, fica mesmo difícil identificar a origem do produto sem encarecê-lo", explicou Knirsch.

Carne de cavalo é mais barata

Mesmo que os fraudadores sejam desconhecidos, suspeita-se que o motivo para a fraude nas embalagens seja a simples ganância. O especialista em alimentos Udo Pollmer, do Instituto Europeu de Ciência Alimentícia e Nutrição, afirma que "se pode economizar muito dinheiro ao misturar carne de cavalo à carne bovina. Em alguns países do Leste Europeu, existem ainda muitos veículos com tração a cavalo, e onde esse animais são usados como transporte, tanto o animal quanto a sua carne são baratos". Para obter mais lucro, explica Pollmer, basta misturar uma pequena porcentagem de outra carne à bovina.

Pollmer não acha tão ruim que a carne de cavalo venha do Leste Europeu. "Ficaria feliz se a carne viesse mesmo de lá, porque no oeste os donos de cavalos tratam seus animais com o que há de melhor e mais caro em medicamentos. Já no leste, simplesmente não há dinheiro para isso."

Weltkulturerbe Gartenreich Dessau-Wörlitz - Luisium 006

Cavalos são considerados animais de estimação, e ideia de comer sua carne é para muitas pessoas um tabu

Segundo ele, o escândalo seria maior se a carne equina viesse do lado ocidental da Europa, pois isso significaria que a carne fora processada e, mesmo que não seja destinada ao consumo humano, poderia ser aproveitada em ração animal. Por isso, as autoridades irlandesas examinam a presença de Fenilbutazona, substância utilizada para combater dor e febre em cavalos. A carne de um animal tratado com esse medicamento seria imprópria para o processamento.

Cavalo é considerado animal de estimação

O escândalo da carne de cavalo atraiu muita atenção não só pelos riscos à saúde ou pelos problemas de rotulação das embalagens. "O cavalo tem status de animal doméstico", explica Pollmer. Na Alemanha existem muitos aficcionados por esses animais, e comer carne equina é um gande tabu.

O presidente da Associação Alemã dos Produtores de Carne, Martin Fuchs , sustenta que os mais de 14 mil açougues e lojas especializadas em carne na Alemanha não sofreram com o impacto negativo do escândalo. Muito pelo contrário, defende Fuchs. Os escândalos no setor alimentício fazem com que o consumidor desconfie dos grande produtores, e quem se beneficia são os pequenos e médios comerciantes.

Autora: Christina Ruta (rc)
Revisão: Francis França