Ministros da UE afirmam que Grécia precisa de novo pacote de ajuda | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministros da UE afirmam que Grécia precisa de novo pacote de ajuda

Autoridades da UE se reúnem no fim de semana para encontrar uma saída para a crise da dívida que ameaça a moeda única. Ministros de Finanças do Eurogrupo aprovam nova parcela de 8 bilhões de euros para resgate da Grécia.

Merkel e Sarkozy: divergências podem travar decisões no fim de semana

Merkel e Sarkozy: divergências podem travar decisões no fim de semana

A ampliação do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) e o corte parcial da dívida grega são temas de discórdia na maratona de reuniões das autoridades europeias em Bruxelas.

Nesta sexta-feira (21/10), os ministros das Finanças da zona do euro iniciaram as discussões que prosseguem neste sábado com os colegas de pasta dos demais países-membros da União Europeia (UE). A cúpula dos chefes de Estado e governo da UE acontece no domingo.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, declararam durante a semana que os líderes devem discutir uma solução global para a crise no domingo, mas que nenhuma decisão seria adotada antes de um segundo encontro que deve acontecer na próxima quarta-feira (26/10).

A Grécia, todavia, pode dormir aliviada. Na noite desta sexta-feira, os ministros de Finanças da zona do euro aprovaram a liberação da parcela de 8 bilhões de dólares do pacote de resgate da Grécia. Já em meados de novembro, Atenas poderá receber o dinheiro.

Na declaração final do encontro, os ministros de Finanças do Eurogrupo afirmaram também que um segundo pacote de resgate será necessário para evitar a falência da Grécia. O novo pacote será discutido no encontro de cúpula da UE, a se realizar no domingo.

Impasses

Gregos protestam por soluções mais sociais para a crise

Gregos protestam por soluções mais sociais para a crise

Apesar das contínuas negociações entre representantes da França e da Alemanha – as maiores economias da zona do euro –, nesta sexta-feira, não houve qualquer avanço em outros pontos de negociações. Assim, os líderes do bloco europeu deverão intervir diretamente no próximo domingo e, provavelmente, na quarta-feira. 

O impasse contrariou o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, que salientou que a situação tem "consequências desastrosas". Para ele seria melhor chegar a uma conclusão já na cúpula de domingo.

Analistas apontam que três questões ainda servem de obstáculo para um consenso na zona do euro sobre a melhor estratégia de combate à crise. O primeiro se refere ao corte no débito grego. A Alemanha sugere um cancelamento de 50% a 60% da dívida do país. França e credores privados mantêm a posição de que um perdão de 30% do débito seria o suficiente.

Modelo de socorro aos bancos

Outro ingrediente que complica a constituição de uma estratégia conjunta de combate à crise é a perda de credibilidade entre os bancos que lidam com a questão. Com a expectativa de um corte nos débitos da Grécia, é cada vez mais difícil para os bancos, que financiam a dívida grega e débitos de outros países, levantarem dinheiro a curto prazo.

Devido à falta de confiança entre as instituições financeiras, o Banco Central Europeu (BCE) está injetando mais dinheiro na cobertura das dívidas. O perdão nos débitos gregos pode fazer com que bancos gregos, espanhóis, italianos e franceses necessitem de mais capital próprio para não irem à bancarrota.

A questão em aberto é saber se os bancos irão buscar essa recapitalização de forma isolada ou se os Estados-membros da UE fariam isso de forma compulsória. A França defende que o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) apoie os bancos para que o orçamento do país não seja afetado. Já a Alemanha cogita a recapitalização obrigatória por parte dos bancos.

Ampliação do fundo de resgate

Liberação de parcela para resgatar economia grega está indefinida

Liberação de parcela para resgatar economia grega está indefinida

O FEEF deve ser ampliado para proteger países ameaçados, como Espanha e Itália. O volume do fundo deve ser alavancado para 1 ou 2 trilhões de euros. A França propõe que o FEEF passe a ter licença de operar como um banco, para poder financiar-se através dos bancos centrais nacionais, caso seja necessário.

Já a Alemanha quer uma alavancagem do FEEF que permita aumentar o seu volume operativo dos atuais 440 bilhões de euros para cerca de 1 trilhão de euros, sem que a contribuição dos Estados de moeda única tenha de ser alterada.

A preocupação dos responsáveis europeus é a concessão de garantias parciais a quem comprar títulos da dívida pública de países da zona do euro em dificuldades financeiras, até um determinado percentual, de 20% ou 30%, por exemplo, sendo o risco restante assumido pelo investidor.

MP/dw/lusa/ap/rtr/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais