1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Ministro pleiteia mais postos de trabalho para deficientes

Por ocasião do Dia Mundial dos Portadores de Deficiências, o ministro almeão do Trabalho Walter Riester conclama para maior igualdade de direitos e tolerância.

default

3 de dezembro é o Dia Mundial dos Deficientes

O ministro do Trabalho Walter Riester, do Partido Social-Democrático, apelou aos empregadores para criarem mais postos de trabalhos para os portadores de deficiências.

Esse grupo da população é mais fortemente atingido pelo desemprego, acentuou o ministro. Além disso, eles ficam mais tempo desempregados. Segundo as estatísticas atuais, a cota de desemprego entre os deficientes é de 15,8%, enquanto a média na população economicamente ativa é de 9%.

Riester chamou a atenção para o fato de que um em cada 12 alemães adquire uma deficiência grave no decorrer da vida. Metade deles é afetada em idade entre 25 e 64 anos, ou seja, quando se encontra em plena atividade profissional. Dos 6,6 milhões de portadores de deficiências graves, apenas uma minoria é deficiente desde o nascimento.

Disposições legais – Segundo a legislação trabalhista, as empresas alemãs precisam ocupar 5% de seus postos de trabalho com portadores de deficiências, uma meta que está longe de ser alcançada. Empresas que não cumprem essas disposições, pagam uma taxa de compensação, tão mais alta quanto mais distante a empresa se encontra da meta.

Em outubro de 2000, o governo introduziu uma nova lei visando reduzir em 25%, até outubro de 2002, o número de desempregados entre os deficientes. Um novo projeto de lei, encaminhado em novembro, tem por objetivo a igualdade de direitos para os portadores de deficiências.

As novas determinações obrigam as instituições federais a se equipar com rampas e banheiros apropriados para portadores de deficiências, placas de informação em braile, a introduzir explicações em viva voz em seus sites na internet e a se utilizar de intérpretes capazes de usar linguagens de sinais em negociações das quais participem deficientes auditivos.