1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministro alemão propõe nova ordem européia

Ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, propõe uma nova ordem européia, em que a União Européia atue em dimensões continentais, como os EUA, Rússia e China, para dominar a ameaça mundial do terrorismo.

default

Joschka Fischer muda de idéia por causa do 11 de setembro

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Joschka Fischer, apresentou à imprensa nacional uma lição que diz ter tirado dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, na forma de proposta para uma nova ordem política européia. A União Européia teria se tornado um "projeto estratégico" e, para poder dominar os conflitos assimétricos, a ameaça mundial do terrorismo, a comunidade tem de agir em dimensões continentais, como fazem os Estados Unidos, Rússia ou China.

Na visão do político do Partido Verde, o projeto estratégico europeu deve implicar também uma integração da Turquia na União Européia. Isto teria importância tão grande numa nova ordem européia quanto a política externa e de segurança da UE, segundo o político mais popular da Alemanha. A Turquia é um Estado laico, embora mais de 97% de sua população seja muçulmana. A União Européia pretende decidir, no final de 2004, sobre um início das negociações para a integração de Ancara.

Idéia ultrapassada- Com sua proposta de reordenamento da política européia, Fischer renega o antigo modelo de um núcleo europeu formado por um pequeno grupo de países em volta do eixo Alemanha-França, que ele próprio defendera numa palestra na Universidade Humboldt de Berlim, em maio de 2000. Naquela ocasião, o ministro sugeriu que alguns Estados deveriam, sob determinadas condições, preceder a integração política, que seria seguida progressivamente por outros países membros.

Fischer havia chamado tal núcleo de "centro de gravidade" da UE e sugerido que este permanecesse aberto para os demais interessados. Agora ele acha que o projeto da Constituição comum européia já viabilizou esta idéia, na medida em que abre possibilidades para uma cooperação estruturada. O texto prevê uma cooperação estreita entre vários países em determinados campos de ação.

O ministro modificou o seu conceito, depois de se convencer de que uma cooperação forte não daria lugar a um núcleo de poucos países, até porque a maioria dos Estados membros com certeza iria querer cooperar num determinado momento. De forma que, na sua opinião, está superada a sua antiga idéia de um pequeno grupo de países membros como um cerne da União Européia.

Ilusão e forças contrárias - Fischer não vê espaço para a sua idéia de um núcleo europeu fora da Carta Magna comum européia, cujo projeto considera "excelente". Sem a Constituição haveria diferentes velocidades no processo de integração e, segundo advertiu, a UE enfrentaria dificuldades graves. Sepultando de vez a idéia, o ministro escreveu em artigos publicados na imprensa alemã que seria ilusória a maior capacidade de decisão de um pequeno núcleo europeu, formado pela Alemanha, França e outros países, "porque isso poderia mobilizar forças contrárias."

Nos progressos da política externa e de segurança da UE ele vê a nova importância estratégica de uma unidade européia, a qual qualificou como "reconstrução do Ocidente". Os indícios disso seriam uma afinidade e uma cooperação estreita, para as quais teriam contribuído os piores atos terroristas da história dos Estados Unidos. Segundo o chefe da diplomacia alemã, o 11 de setembro evidenciou a falta de diálogo estratégico dos europeus.

Tática a favor da Turquia? - A oposição conservadora criticou a mudança de idéia do ministro sobre um núcleo europeu. Contrariando o novo argumento de Fischer, o perito de política externa da União Democrata Cristã (CDU), Wolfgang Schäuble, disse que a Europa precisa de uma liderança dinâmica por longo tempo e que isto será praticado por uma parte dos países membros. Somente assim poderia ser superado o processo de aprofundamento e ampliação da UE, disse ele se referindo ao ingresso de dez países na comunidade, em primeiro de maio.

Numa alusão indireta à Turquia, cuja integração na UE é rejeitada por seu partido, Schäuble declarou-se contra uma "ampliação ilimitada" da comunidade, por razões estratégicas. O porta-voz da bancada conjunta da CDU e CSU (União Social Cristã) no Parlamento em Berlim, Peter Hintze, seguiu a mesma linha. Ele disse que a conduta do ministro Fischer teria razões táticas para defender melhor uma aceitação da Turquia na União Européia.

Leia mais