Ministro alemão do Exterior encerra no Iêmen viagem por países árabes | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministro alemão do Exterior encerra no Iêmen viagem por países árabes

Ministro diz ser contrário à invasão armada no Iêmen, refúgio de terroristas do Al Qaeda. Presidente iemenita afirmou que libertação de família alemã sequestrada está próxima.

default

Visita à capital Sanaa durou poucas horas

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, encerrou no Iêmen nesta segunda-feira (11/01) sua viagem por vários países árabes. Em poucas horas de conversa com o presidente iemenita, Ali Abdullah Saleh, o ministro alemão falou sobre a guerra contra o terrorismo e sobre diplomacia. Westerwelle declarou também ter conseguido novas informações sobre uma família alemã desaparecida desde junho de 2009.

Esperança

Segundo o ministro alemão, o presidente Saleh garantiu que, em breve, o paradeiro do casal e das três crianças, desaparecidos há seis meses, será revelado. As autoridades iemenitas estariam trabalhando com esforço para a libertação das vítimas.

A família desapareceu na região de Saada, juntamente com um cidadão britânico. Duas mulheres alemãs e um coreano que também haviam desaparecido com o grupo foram encontrados mortos. Segundo o presidente do Iêmen, extremistas do grupo Al Qaeda são os responsáveis pelo sequestro.

Guerra contra o terror

O país árabe ganhou destaque depois do atentado frustrado no avião que fazia a rota Amsterdã-Detroit em dezembro: o suspeito preso revelou que a missão lhe havia sido passada no Iêmen.

Segundo especialistas, há anos o país é usado como base para extremistas islâmicos – estima-se que várias centenas de combatentes do Al Qaeda estejam escondidos no país.

O ministro alemão disse ser contrário à invasão armada naquele país. Westerwelle defende uma saída diplomática e acredita que "uma ação militar não pode ter êxito".

NP/apn/reuters

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais