1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Ministra não exclui sabotagem no escândalo do trigo contaminado

Uma firma forneceu trigo contaminado com o agrotóxico cancerígeno Nitrofen a 107 propriedades agrícolas de cultivo biológico. Com isso, assustou os consumidores e desacreditou a agricultura alternativa.

default

Ministra Renate Kuenast

Depois da crise da "vaca louca" e da febre aftosa, a Alemanha está às voltas com um escândalo no setor de alimentos, que causa mais insegurança ainda entre os consumidores, por afetar os produtos biológicos, cuja produção se considerava sadia e garantida. Na quarta-feira, detectou-se pela primeira vez a substância cancerígena Nitrofen em ovos e carne de aves no Estado de Meckelmburgo-Pomerânia Ocidental. Antes disso, ela fora encontrada em trigo usado em ração animal, distribuído principalmente a fazendas que usam métodos de cultivo e criação biológicos.

Frangos e ovos contaminados - Até a noite desta quinta-feira (30), os laboratórios constataram o agrotóxico em dez de 21 amostras de ovos e carne de frango. Os valores excediam 250 vezes o máximo permitido por lei. "Assim ficou provado o uso de ração contaminada em três das cinco propriedades agrícolas interditadas", disse o secretário da Agricultura, Till Backhaus. As cinco propriedades, com um total de 220 mil aves, estão interditadas e acredita-se que pelo menos uma parte terá que ser abatida.

Na Baixa Saxônia também foram encontrados alimentos contaminados com Nitrofen. De acordo com a Secretaria da Agricultura de Hanôver, a ração não foi empregada apenas em avícolas, como também na criação de gado, porcos e nas fazendas de produção leiteira. Responsável pelo escândalo é a firma GS Agri. Ela forneceu 550 toneladas de trigo contaminado a 107 propriedades agrícolas que se dedicam ao cultivo biológico. Os representantes da empresa desmentem que tenham fornecido o trigo cientes de sua contaminação.

Hipótese de sabotagem para desacreditar a agricultura alternativa

Para a ministra da Agricultura e Defesa do Consumidor, Renate Künast, do Partido Verde, não se pode excluir uma sabotagem para desacreditar a agricultura biológica. Não se sabe exatamente como o agrotóxico foi parar na ração. As investigações se estendem a várias partes do país, envolvendo várias repartições e laboratórios. "A Promotoria ainda terá muito trabalho pela frente", disse a ministra, decidida a esclarecer o escândalo até o final.

Os partidos de oposição ao governo federal exigiram a renúncia da política. Künast não quer saber disso e anunciou que irá examinar a necessidade de mudar as leis sobre segurança na produção de gêneros alimentícios. O objetivo seria tornar obrigatório a comunicação às autoridades de qualquer substância perigosa ou nociva encontrada em alimentos. Os exames iniciais, no caso, foram realizados por um dos fazendeiros.

O que ainda não se sabe é se o trigo contaminado também não teria sido distribuído a fazendas de agropecuária tradicional. Em reação ao escândalo, a República Tcheca e a Eslovênia suspenderam a importação de aves da Alemanha.