1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministra francesa renuncia após partido ser alvo de investigação

Sylvie Goulard pede para ficar de fora do governo Macron em meio a escândalo de empregos fictícios no Parlamento Europeu, supostamente criados por sua legenda. "Desejo estar em condições para demonstrar minha boa-fé."

Sylvie Goulard

Sylvie Goulard foi nomeada para o cargo de Ministra da Defesa em maio deste ano

A ministra francesa da Defesa, Sylvie Goulard, anunciou nesta terça-feira (20/06) sua renúncia ao cargo em meio a um escândalo de empregos fictícios envolvendo seu partido, o Movimento Democrático (MoDem).

Goulard, que atuou como eurodeputada de 2009 a maio deste ano, disse que não poderia permanecer no governo por poder vir a ser alvo de uma investigação. Seu partido, aliado do partido República em Marcha! (LREM), do presidente Emmanuel Macron, é alvo de um inquérito por suposto uso abusivo de recursos do Parlamento Europeu na contratação de assistentes fictícios.

"Desejo estar em condições para demonstrar minha boa-fé", afirmou a ministra, nomeada por Macron em maio. "A honra do nosso Exército, dos homens e mulheres que põem suas vidas em risco, não deve ser misturada com as controvérsias que nada tem a ver com eles."

No dia 9 de janeiro deste ano, foi aberto um inquérito para averiguar se o MoDem usou recursos europeus para pagar o salário de funcionários do partido na França, que teriam assinado contratos como assistentes no Parlamento Europeu. O líder do partido, o ministro da Justiça François Vayrou, nega as acusações. 

Nesta segunda-feira, Macron anunciou a remodelação do governo logo após conquistar maioria absoluta no Parlamento francês nas eleições legislativas do último domingo.

Macron aceitou a renúncia de Goulard, dizendo respeitar a escolha dela. A saída dela é a segunda baixa no ministério do novo presidente. Nesta segunda-feira, Macron pediu que Richard Ferrand, ministro da Coesão Territorial e ex-secretário-geral do LREM, deixe o governo por ser alvo de uma investigação em um caso de suposto nepotismo.

RC/rtr/lusa/efe

Leia mais