1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Ministra alemã garante apoio ao Afeganistão

Em viagem à região, Ursula von der Leyen declara que permanência militar alemã no país é claro sinal da Alemanha na luta contra o Talibã e cobra de presidente afegão reformas e processo de paz.

default

Ursula von der Leyen se reúne com presidente afegão, Ashraf Ghani

A ministra alemã da Defesa, Ursula von der Leyen, afirmou nesta terça-feira (08/12) que a Alemanha está ao lado dos afegãos na luta contra o Talibã e ressaltou que a interrupção da retira de tropas do Afeganistão mostra esse apoio.

"É um forte sinal aos afegãos de que confiamos no futuro do Afeganistão e trabalhamos duro juntos para a estabilidade desse país", afirmou Von der Leyen, em Islamabad, no Paquistão. A ministra garantiu ainda que os países aliados irão continuar apoiando o governo afegão, por meio da assessoria e treinamento das forças de segurança.

Antes de embarcar para Islamabad, Von der Leyen se reuniu nesta terça-feira com o presidente afegão, Ashraf Ghani, em Cabul, no Afeganistão. A ministra cobrou do líder reformas e a retomada do processo de paz com o Talibã.

"Todo processo militar precisa ser inserido em um processo político e econômico forte", ressaltou e anunciou que o governo afegão se comprometeu a realizar reformas e buscar a paz. "Queremos juntos alcançar a perspectiva necessária para que as pessoas no Afeganistão tenham certeza que é correto investir força e esperança de vida no seu país e construir um futuro na sua pátria", acrescentou a ministra.

A escala recente da violência no Afeganistão levou muitas pessoas a deixarem o país. Na Alemanha, os afegãos são o segundo maior grupo de requerentes de asilo, ficando apenas atrás dos sírios. Há poucos dias, os ministros do Exterior da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiram interromper a retida de tropas dos país, pois a situação de segurança piorou drasticamente na região após o final da missão militar internacional no ano passado.

CN/rtr/dpa

Leia mais