1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Milhares protestam por renúncia de premiê da Malásia

Desafiando proibição do governo, cerca de 30 mil pessoas foram às ruas da capital Kuala Lumpur exigir saída de Najib Razak. Primeiro-ministro é suspeito de desviar 700 milhões de dólares de companhia estatal.

Milhares de cidadãos da Malásia foram às ruas da capital Kuala Lumpur neste sábado (29/08) para exigir a renúncia do primeiro-ministro, Najib Razak, por suspeitas de corrupção.

Vestidos com camisetas amarelas, os manifestantes, que se concentraram na praça Merdeka ("independência", em português), pediram reformas no sistema político e melhora da situação econômica do país.

Policiais acompanharam os protestos, considerados ilegais pelas autoridades por "ameaçar a estabilidade" e "prejudicar a imagem do país". Na sexta-feira, o governo

bloqueou

o acesso ao site do grupo Bersih, uma aliança de entidades civis pró-democracia, que convocou as manifestações programadas para este sábado e domingo.

Documentos vazados em julho mostraram que Razak teria recebido cerca de 700 milhões de dólares desviados da companhia de investimento estatal 1Malaysia Development Berhad (1MDB). O premiê alega que o dinheiro foi uma doação proveniente do Oriente Médio. O partido de Razak, UMNO, governa desde a independência do país do Reino Unido, em 1957.

Najib demitiu, no mês passado, o vice-premiê Muhyiddin Yassin, que cobrou explicações sobre a gestão da empresa, que acumula uma dívida bilionária. Yassin fez uma aparição no protesto deste sábado e demonstrou apoio aos manifestantes.

De acordo com a polícia, 25 mil pessoas participaram do ato. A aliança Bersih diz que foram 200 mil participantes. Alguns manifestantes montaram barracas nas ruas para participar dos protestos que serão realizados no domingo.

Manifestações convocadas pelo grupo Bersih em 2011 e 2012 foram reprimidas com uso de gás lacrimogêneo e jatos de água. Os protestos deste fim de semana ocorrem às vésperas do feriado nacional da independência, na segunda-feira (31/08).

KG/ap/lusa

Leia mais