Milhares protestam contra falta de governo definitivo na Bélgica | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Milhares protestam contra falta de governo definitivo na Bélgica

O impasse político entre valões e flamengos na formação de um governo definitivo para a Bélgica já dura 225 dias e deixa o país em uma profunda crise política. Milhares de cidadãos protestaram em Bruxelas.

default

Organizadores falaram em 50 mil participantes

Mais de 30 mil pessoas saíram às ruas de Bruxelas neste domingo (23/01) para cobrar das autoridades uma solução que resolva a crise política de maior duração da história da Bélgica. Após sete meses desde a eleição parlamentar, o país continua sem um governo central. O impasse político pode continuar se as lideranças que representam flamengos e valões não chegarem a um acordo para a formação de um governo definitivo.

Em protesto ao impasse que ameaça o futuro belga e deixa o país à mercê dos mercados financeiros, um grupo de cinco estudantes conseguiu mobilizar milhares de pessoas a partir de um apelo na internet. "Nós queremos um governo! Um diálogo honesto e aberto entre flamengos e francófonos o mais rápido possível", dizia a mensagem publicada em um site.

O apelo ganhou o apoio popular e terminou em uma grande marcha pelas ruas que superou as expectativas dos próprios estudantes. Para eles, o importante era protestar de maneira não partidária e pedir a formação de um governo independente da disputa política entre as duas regiões do país.

Para preservar o posicionamento neutro da marcha, que foi classificada como "nem unitária nem separatista", os participantes foram orientados a não exibirem bandeiras da Bélgica. Apesar disso, muitas pessoas não seguiram a recomendação e exibiam slogans que condenavam o movimento pela divisão do país entre flamengos e valões.

Divergências políticas também provocaram crise econômica

Brüssel Demonstration

Muitas pessoas exibiram bandeiras da Bélgica em protesto contra uma possível divisão do país

Desde a eleição parlamentar ocorrida em junho de 2010, a Bélgica está sob uma administração provisória. Líderes políticos da Valônia, que representam a maioria francófona do país, e líderes flamengos, que representam a parte que fala o idioma holandês, travam uma disputa pela hegemonia política na Bélgica.

Além do poder político, flamengos e valões também travam uma disputa econômica em torno da arrecadação de impostos. A partir dos anos 1960, a economia flamenga, que antes representava a parte pobre do país, foi fortalecida pelo boom da indústria química e hoje transfere boa parte de seus tributos para a região da Valônia, que enfrenta altos índices de desemprego.

Nos últimos dois meses, o mercado financeiro também se voltou para a crise política na Bélgica e passou a aumentar os juros dos empréstimos ao país. Para os economistas, a falta de um governo estabelecido impede que a Bélgica faça as reformas necessárias para resolver o problema das altas dívidas e deixa os investidores temerosos sobre um provável socorro financeiro futuro.

A dívida pública da Bélgica equiparou-se em 2009 ao rendimento anual da economia do país e ficou entre as três mais altas da zona do euro, atrás somente da Itália e da Grécia.

DF/dpa/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais