Milhares de pessoas protestam na Europa contra deportação dos roma | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Milhares de pessoas protestam na Europa contra deportação dos roma

Medidas "anticriminalidade" de governo Sarkozy desencadeiam protestos em 130 cidades francesas e diante de embaixadas do país nas capitais da Europa. Liga dos Direitos Humanos (LDH) convocou as manifestações.

default

'Democracia em perigo'

Demonstrationen Frankreich Sarkozy Roma Politik

Passeata na França contra deportações

Na França e em numerosas cidades da Europa, ativistas em defesa dos direitos humanos, sindicatos e organizações antirracistas protestaram neste sábado (04/09) contra a deportação de milhares de representantes da etnia rom pelo governo de Nicolas Sarkozy. Os roma são um dos povos nômades designados como ciganos.

A Liga dos Direitos Humanos francesa (LDH), que convocou as manifestações, disse que pretende se opor à "xenofobia" do presidente francês e ao que descreve como abuso sistemático dos roma no país. A líder do Partido Verde na França, Cécile Duflot, advertiu: "Não aceitamos o veneno que o governo está instilando em nossa república". E o presidente da LDH, Jean-Pierre Dubois, declarou que "o limite foi ultrapassado".

Mais de 110 grupos realizaram passeatas contra as deportações em 130 cidades da França. Segundo os organizadores, o total dos manifestantes foi de 89 mil, enquanto a polícia registrou apenas 30 mil. Entre os manifestantes reunidos diante do Ministério da Imigração, em Paris, encontrava-se um grupo de artistas encabeçado pela cantora e atriz inglesa Jane Birkin, de 63 anos.

Foram organizadas também manifestações diante das representações diplomáticas francesas em metrópoles como Londres, Bruxelas, Bucareste, Belgrado e Barcelona.

NO FLASH Belgrad Proteste Roma

Protestos em Belgrado

Pacote controverso

Os protestos contam com o apoio do Partido Socialista francês e da Confederação Geral do Trabalho (CGT), segunda maior central sindical do país. Eles se dirigem também contra a política do governo de retirar a cidadania francesa dos imigrantes acusados de atacar agentes policiais.

O procedimento de Sarkozy faz parte de um pacote de medidas de suposto combate à criminalidade. Em julho último, ele iniciou uma campanha pública visando remover, no prazo de três meses, metade dos 600 acampamentos ilegais dos roma na França. A alegação é de que eles seriam antros de crime, especialmente de tráfico humano e prostituição.

Segundo a mídia francesa, o ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, mostrou-se chocado diante das medidas de Sarkozy, e até estaria considerando renunciar ao cargo. No final de agosto, a Organização das Nações Unidas observou, em um comunicado, que táticas como a de Paris deveriam ser "evitadas", assim como o "discurso político discriminatório".

Guerra aberta

Frankreich fliegt weitere Roma aus

Roma estão sendo enviados de volta para a Romênia

Grupos de defesa dos direitos humanos chamam a atenção para o fato de que as investidas contra os acampamentos ilegais deixaram centenas de pessoas sem teto. Durante uma passeata contra a medida, em Marselha, Philippe Rodier, da ONG Médicos do Mundo, resumiu assim a situação:

"Houve uma verdadeira declaração de guerra, que se manifestou na destruição sistemática dos locais onde [os roma] vivem". De acordo com sua organização, nove dos 14 acampamentos nômades em Marselha foram desmantelados.

A partir do princípio da campanha, em julho último, cerca de mil roma foram deportados da França para a Romênia e a Bulgária e aproximadamente uma centena de acampamentos ilícitos foram destruídos. Desde o início do ano, cerca de 8.300 roma já foram forçados a deixar o país. Em 2009, 9.875 pessoas da mesma etnia foram deportadas da França.

AV/dw/afpf/rtr
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais