1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Milhares de pessoas fogem do tufão Hagupit nas Filipinas

Quase um milhão de pessoas deixaram as suas casas nas Filipinas, enquanto o país espera a chegada da pior tempestade desde o tufão Haiyan no ano passado.

De acordo com autoridades filipinas, quase 1 milhão de pessoas que vivem em vilarejos de baixa altitude ou áreas propensas a deslizamentos deixaram suas casas neste sábado (06/12), deslocando-se para centros de desabrigados.

"Estamos preparados, mas ainda com medo. Não terminamos de consertar a nossa casa, ela ainda está coberta com plásticos, e agora vem uma nova tempestade", lamentou Teresita Aban, residente da província de Samar, atingida pelo supertufão Haiyan, no ano passado.

Milhares de pessoas lotaram abrigos montados em escolas, igrejas e centros comunitários. Por volta de cem voos nacionais foram cancelados neste sábado.

Dennis McLean, porta-voz do Escritório da ONU para a Redução de Riscos de Desastre, declarou em Genebra que esta foi uma das maiores evacuações de pessoas já vistas em tempos de paz.

Embora a chegada do tufão Hagupit esteja sendo esperada somente para a noite de sábado ou primeiras horas de domingo (hora local), vento forte, chuvas e enchentes já foram registrados neste sábado.

Philippinen Taifun Hagupit 06.12.2014

Tufão deverá atingir país com ventos de 185 km/h e rajadas de até 220 km/h

Chegada do tufão

Em língua local, Hagupit significa golpe ou chicote. A agência de meteorologia das Filipinas (Pagasa) prevê, no seu último boletim, que o tufão deverá chegar à costa oriental do país com ventos de 185 km/h e rajadas de até 220 km/h.

Estima-se que o tufão irá levar três dias para atravessar as Filipinas, com maior incidência nas regiões centrais e, depois, no sul, afetando zonas densamente povoadas perto da capital, Manila.

Todos os anos, de 15 a 20 tufões atingem as Filipinas durante a temporada de chuvas, que vai de junho a novembro. Em 2011 e 2012 registraram-se tempestades consecutivas em dezembro que, no total, provocaram a morte de 3 mil pessoas.

CA/dpa/afp/lusa

Leia mais