1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Migrante morre na fronteira de Grécia com Macedônia

Homem sobe em trem para cruzar fronteira e é eletrocutado. Migrantes barrados na região entram em choque com a polícia pelo segundo dia consecutivo. Macedônia permite entrada apenas de sírios, iraquianos e afegãos.

default

Após morte, polícia entra em choque com migrantes

Um migrante morreu eletrocutado nesta quinta-feira (03/12) na fronteira da Grécia com a Macedônia, ao subir num trem, na tentativa de entrar em território macedônio. Pelo segundo dia consecutivo, a polícia entrou em confronto com migrantes impedidos de continuar viagem.

O homem que morreu seria do Marrocos e estava entre os cerca de 1.500 migrantes mantidos pela Macedônia na cidade grega de Idomeni. Há quase duas semanas, seguindo o exemplo da Sérvia e da Croácia, o país começou a restringir a passagem pela rota dos Bálcãs, só permitindo a entrada em seu território de cidadãos oriundos da Síria, Iraque e Afeganistão.

A morte aumentou ainda mais a tensão na região. Um grupo de marroquinos tentou cruzar a fronteira, levando o corpo, e a polícia grega usou gás lacrimogêneo para afastá-los. "Vamos todos morrer aqui. Não vamos embora", afirmou um deles. As autoridades declaram que a morte foi intencional, precipitada pelo desespero de estar retido há dias a região.

No sábado, em incidente semelhante, um marroquino foi eletrocutado, sofrendo queimaduras graves, ao tocar um cabo de alta tensão. Ele tentava atravessar a fronteira no teto de um vagão de trem. Sua morte desencadeou protestos: cerca de 250 migrantes entraram em confronto com a polícia. O embate terminou com 18 policiais feridos.

Tensão e violência

Antes do incidente desta quinta-feira, a polícia macedônia já havia entrado em choque com migrantes. Impedidos de seguir viagem, eles protestaram e atiraram pedras contra os agentes de seguranças, que responderam com gás lacrimogêneo.

No início da manhã, um grupo destruiu alojamentos num campo operado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Na quarta-feira, centenas de migrantes barraram a passagem dos refugiados, gritando: "Se não atravessarmos, ninguém vai."

A maioria dos migrantes detidos vem do Paquistão, Irã e Marrocos. Para tentar controlar a situação, a Macedônia construiu uma

cerca na fronteira com a Grécia

. O governo grego diz estar tentando convencer os que estão na região a irem para Atenas, onde entrariam com pedido de asilo, pois na Macedônia não há mais alojamento disponível.

Na tentativa de controlar a situação, a União Europeia anunciou que até a próxima semana enviará ao local mais agentes da Frontex, a missão europeia de patrulhamento de fronteiras. A equipe auxiliará autoridades gregas no registro dos refugiados.

CN/rtr/afp

Leia mais