Michael Moore prepara documentário sobre Trump | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 17.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Michael Moore prepara documentário sobre Trump

Polêmico cineasta promete filme de grande impacto sobre o presidente americano. Nome "Fahrenheit 11/9" é referência à data da eleição do magnata e a filme anterior sobre George W. Bush.

Donald Trump e Michael Moore

"Fahrenheit 11/9" será o segundo filme de Moore (dir.) sobre Trump (esq.)

O cineasta americano Michael Moore está preparando um documentário sobre o presidente Donald Trump e disse acreditar que o filme terá um grande impacto.

Os produtores Harvey e Bob Weinstein anunciaram nesta terça-feira (16/05) que asseguraram os direitos mundiais sobre o filme, batizado por Moore de Fahrenheit 11/9. O nome é uma referência ao dia depois da eleição de Trump e também ao documentário que Moore realizou em 2004, sobre o então presidente George W. Bush e os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, Fahrenheit 9/11.

Fahrenheit 9/11 gerou 222 milhões de dólares, o que faz dele o documentário de maior faturamento da história, segundo o site The Hollywood Reporter.

Moore, que trabalhou secretamente no filme durante meses, disse que ele será explosivo. "Não importa o que você jogue contra ele [Trump], não funciona. Não importa o que seja revelado, ele segue de pé. Fatos, realidade, cérebros não conseguem derrotá-lo. Até quando ele fere a si próprio, ele se levanta no dia seguinte e continua tuitando. Tudo isso acaba com esse filme", afirmou.

Harvey Weinstein disse que planeja levar o filme para uma audiência ampla e que ele será oferecido aos distribuidores no mercado cinematográfico de Cannes, que ocorre em paralelo ao festival que se inicia nesta quarta-feira na cidade francesa.

Este será o segundo filme do polêmico cineasta sobre Trump, depois de Michael Moore in Trumpland, divulgado pouco antes da eleição presidencial de 2016 e no qual Moore previu que Trump sairia vencedor.

AS/lusa/ap/dpa

Leia mais