1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Metroviários suspendem greve, mas mantêm ameaça de parar na abertura da Copa

Movimento que durou cinco dias e paralisou grande parte de São Paulo é suspenso, mas será reavaliado na véspera do jogo de abertura da Copa do Mundo. Ao mesmo tempo, MTST anuncia fim dos protestos contra o Mundial.

TSTOs metroviários de São Paulo, em greve desde a última quinta-feira, decidiram na noite desta segunda-feira (09/06), em assembleia-geral, suspender a paralisação por dois dias e retornar imediatamente ao trabalho. Mas os trabalhadores marcaram nova assembleia para quarta-feira, véspera da abertura da Copa do Mundo, mantendo, assim, a ameaça de paralisação durante o Mundial. Além do reajuste salarial de 12,2%, os metroviários reivindicam agora também a readmissão de 42 trabalhadores demitidos pelo Metrô nesta segunda-feira.

Mais cedo, o superintendente regional do Trabalho e Emprego em São Paulo, Luiz Antonio Medeiros, disse que faltou pouco para que fosse fechado um acordo entre o Metrô e os trabalhadores em greve há cinco dias. A readmissão de 42 metroviários demitidos chegou a ser parcialmente aceita pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), mas, em seguida, foi recusada pelo governo de São Paulo, afirmou Medeiros.

A decisão dos trabalhadores, de retornar ao trabalho, foi tomada depois de o Tribunal Regional do Trabalho ter considerado abusiva a paralisação que gerou o caos na metrópole brasileira.

Na assembleia da segunda-feira à noite foram colocadas três propostas em cima da mesa: a continuidade da greve, a suspensão até o dia 11 ou o seu fim.

"Voltamos ao trabalho agora, mas teremos uma nova assembleia no dia 11 à tarde. Se vamos retomar ou não a greve no dia 12, dependerá da reintegração dos trabalhadores demitidos", disse o presidente do sindicato dos trabalhadores do Metrô de São Paulo, Altino Melo dos Prazeres.

"Se o governo reintegrar nossos 42 companheiros, não teremos greve no dia 13", garantiu o dirigente sindical. Com o regresso ao trabalho – por ao menos dois dias – todas as linhas do Metrô de São Paulo deverão estar funcionando até a final do dia de quarta-feira, ou seja, até a nova assembleia-geral.

A greve, iniciada na semana passada, foi convocada para exigir uma atualização salarial de pelo menos 12,2%, depois do fracasso das negociações com o Metrô de São Paulo, administrado pelo governo paulista, cuja oferta é de 8,7%. Neste domingo, foi determinado judicialmente que o aumento deverá ser fixado de acordo com os valores propostos pela entidade patronal.

O metrô é o meio de transporte mais prático para chegar à Arena Corinthians, o estádio que vai receber o jogo de abertura do Mundial, para o qual são esperados mais de 60 mil espectadores, incluindo a presidente Dilma Rousseff e 11 chefes de Estado ou governo.

Sao Paolo Streik Ausschreitungen 9.6.2014

Metroviários entram em confronto com policiais na estação Ana Rosa, em São Paulo

Copa do Povo

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), que nas últimas semanas convocou manifestações em São Paulo, anunciou nesta segunda-feira o fim dos protestos contra o Mundial, depois de o governo brasileiro ter cedido a algumas das reivindicações.

Segundo o coordenador do movimento, Guilherme Boulos, não haverá protestos contra o Mundial, mas manifestações pela votação do Plano Diretor, que estabelecerá novas regras para a construção na metrópole.

Em nota, o movimento disse que conseguiu que as três principais demandas que motivaram uma série de protestos nas últimas semanas fossem atendidas. O acordo prevê a construção de moradias populares no terreno onde atualmente está a ocupação Copa do Povo. Para viabilizar o empreendimento deverão ser usados recursos do programa Minha Casa, Minha Vida, com subsídio complementar do governo estadual e da prefeitura de São Paulo.

O governo federal se comprometeu ainda a propor a ampliação do limite do Minha Casa, Minha Vida para entidades. Atualmente, o limite por organização é de mil unidades habitacionais. A partir da nova etapa, “com as devidas prestações de contas e a comprovação de bom desempenho”, as entidades poderão receber até 4 mil unidades.

AS/lusa/abr

Leia mais