Metalúrgicos reatam negociações mas mantêm greve | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.05.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Metalúrgicos reatam negociações mas mantêm greve

Mais de 170 mil trabalhadores já participaram desde a semana passada da greve dos metalúrgicos na Alemanha. O sindicato está otimista com as negociações que foram reatadas nesta quarta-feira.

default

Funcionários da Bosch, em Stuttgart, com as bandeiras do IG Metall

Apesar de retomadas as negociações salariais no estado de Baden-Württemberg, prossegue a greve dos metalúrgicos na Alemanha, iniciada na semana passada (06/05). Em quatro estados do país, mais de 20 mil trabalhadores de 70 empresas participaram da paralisação nesta quarta-feira (15). O sindicato exige um aumento de 6,5%, mas os empregadores só se dispõem a conceder 3,3% e um abono único.

Como o Sindicato dos Metalúrgicos (IG Metall) recorreu a uma nova tática de "greve flexível", alternando as empresas, hoje foi a vez da fábrica da Opel, em Bochum, onde 4.300 trabalhadores cruzaram os braços, com o que não foram montados 110 veículos. A greve também atingiu a fábrica da Miele, em Guestersloh, com 3.100 funcionários e a montadora da DaimlerChrysler em Stuttgart, com 8.500 funcionários. Manifestações sindicais ocorreram em cidades grandes como Colônia e Essen, mas também em Remscheid, Olpe, Bocholt, Hamm e Muenster.

Embora as negociações, retomadas na manhã desta quarta-feira, ainda não tenham dado resultado, ambas as partes estão otimistas. "A negociação em si já é o primeiro sucesso da greve. Os sinais são de boas chances de conseguirmos um acordo", disse Klaus Zwickel, presidente do IG Metall.

Para o presidente da Federação das Indústrias Alemãs (BDI), Michael Rugowski, elas podem ser concluídas até o fim da semana. Um aumento salarial acima de 3,3%, contudo, poderia levar a mais corte de empregos, principalmente nas médias empresas, observou, analisando os possíveis efeitos de salários mais altos para a conjuntura econômica.