1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Mestres cantores" da bisneta de Wagner polemiza, sem revolucionar

Estréia tão esperada de Katharina Wagner dividiu a platéia de Bayreuth. Entre nudez frontal, chuva de sapatênis e o compositor de cuecas, ela deixou sua marca de modernizadora irreverente.

default

Katharina Wagner: salvação de Bayreuth?

A maioria dos críticos dos grandes jornais alemães reagiu positivamente, nesta sexta-feira (27/07), à tão esperada montagem de Os mestres cantores de Nurembergue, em Bayreuth.

A razão da expectativa: tratava-se do primeiro trabalho de direção da bisneta de Richard Wagner, Katharina, no misto de teatro de ópera e local de peregrinação fundado pelo compositor em 1876.

Coisas interessantes ou "pizza Wagner"

Richard-Wagner-Festspiele in Bayreuth 2007

Eva (Amanda Mace) e Hans Sachs (Franz Hawlata), no 2º ato

O Süddeutsche Zeitung definiu o trabalho da artista de 29 anos como "uma reinterpretação revigorante, com algumas bobagens". O Frankfurter Allgemeine Zeitung celebrou: "Katharina Wagner tem um futuro em Bayreuth".

Die Welt reconheceu valores predominantemente positivos nesta versão, embora, analisando-a em detalhe, chegasse à conclusão: "No próximo ano, muito trabalho de acabamento e a arte de 'deixar de fora' esperam pela diretora e seu hiperativo dramaturgista, Robert Sollich".

Já o Frankfurter Rundschau fala de "uma encenação desigual, porém ambiciosa", sentenciando: "A apresentação deu pouco motivo para impressões unívocas – quer triunfos, quer irritações –, significando, outrossim, uma multiplicidade de coisas interessantes e de material instigante".

Já o Spiegel online comentou com sarcasmo a estréia da bisneta de Wagner "em casa": "Uma 'pizza Wagner' cerebral e, no entanto, impressionantemente óbvia: um monte de recheio sobre uma base fininha".

No palco como na platéia

Angela Merkel bei Eröffnung der Wagner-Festspiele

Angela Merkel, wagneriana inveterada, na estréia de 'Os mestres cantores'

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, encabeçaram uma legião de convidados ilustres, na última quarta-feira. Como não podia deixar de ser, o pai de Katharina, Wolfgang Wagner (87), também encenador, encontrava-se na platéia.

Ao fim da maratona de sete horas – que incluiu duas pausas de uma hora – a diretora subiu ao palco, trajando um vestido de frente única e visivelmente nervosa, para ser recebida tanto com vaias, assovios e interjeições de escárnio quanto com "bravos" e outros gritos de aprovação.

Assim, o público de Bayreuth fazia mais uma vez jus ao epíteto "operístico": dramático, apaixonado e egocêntrico até o absurdo.

Wagner de cuecas

Mais tarde, Katharina Wagner revelaria aos repórteres que ensaios de última hora haviam sido necessários, devido a "problemas técnicos".

O aplauso ao fim do primeiro e do segundo atos fora amigável. Porém o terceiro e último ato da única ópera cômica de Richard Wagner deixou o público menos bem-humorado.

Além de vários minutos de nudez frontal, ele foi confrontado com uma bizarra visão do compositor dançando de roupa de baixo, ao lado de outros mitos como Goethe e Schiller, assim como um monte de mestres cantores cavalgando pelo palco, munidos de pênis gigantescos.

Vitória do mainstream

Katharina Wagner é a favorita a suceder seu pai na direção do Festival de Bayreuth, cargo que Wolfgang ocupa desde 1951. Quer tenha êxito, quer não, com este début ela – a mais jovem profissional e primeira mulher a dirigir em Bayreuth – já deixa no templo wagneriano sua marca de modernizadora por excelência.

Richard-Wagner-Festspiele in Bayreuth 2007

Klaus Florian Vogt interpretou Walther von Stolzing

O primeiro choque, fatal para os mais conservadores, já foi o fato de a ópera não ser situada na praça da Nurembergue medieval: nada de casas de enxaimel nem de prado festivo. Em vez disso, figurinos da moda e sapatos tênis chovendo do céu (talvez pelo fato de um dos protagonistas, Hans Sachs, ser um sapateiro?).

O Mestres cantores da bisneta de Wagner é um discurso sobre tradição e progresso na arte que prescinde de qualquer respeito pela trama original. Seu Walther von Stolzing, o herói moral e romântico, não passa de um "vendido": um rebelde que, para ganhar um concurso, se torna um conformista e imitador de seus mestres. "No fim, o mainstream acaba vencendo", parece querer dizer a encenadora.

Aceitação inesperada

Wolfgang, Katharina und Gudrun Wagner bei Eröffnung der Wagner-Festspiele

Katharina, entre Gudrun e Wolfgang Wagner

Por contraste, antes da estréia ela comentara ao jornal Süddeutsche Zeitung que o festival precisava reocupar seu papel na vanguarda da interpretação wagneriana. "Minha preocupação não é apenas preservar, como também desenvolver algo novo."

"Bayreuth pode arriscar o experimento", afirmou, citando como exemplo duas outras montagens contemporâneas com potencial provocador: o Tristão e Isolda de 1993, do dramaturgo Heiner Müller, e o Parsifal do enfant térrible Christoph Schlingensief, em 2004.

No fim, a própria Katharina Wagner se surpreendeu com a positividade da recepção em sua estréia. "Calculo que a proporção entre aceitação e repúdio foi, mais ou menos, fifty-fifty. Eu tinha contado mais com dois terços de rejeição." (av)

Leia mais