Mestre do Teatro do Absurdo, Eugène Ionesco faria 100 anos | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Mestre do Teatro do Absurdo, Eugène Ionesco faria 100 anos

Autor de "A cantora careca" comemoraria centésimo aniversário em 26 de novembro. Quinze anos após sua morte, Ionesco ainda é de longe o dramaturgo francês mais apreciado e suas peças estão entre os clássicos do gênero.

default

Ionesco: diálogos sem sentido e alegria anárquica

"Uma coisa eu não entendo: por que eles sempre dão nas colunas sociais de jornais a idade dos que já morreram e nunca dos que acabaram de nascer?", consta em um trecho de La Cantrice chauve (A Cantora Careca), até hoje uma das peças mais encenadas do dramaturgo francês Eugène Ionesco.

A peça trata do puro nonsense, que no palco resulta em risadas garantidas. Mas uma inocente piada torna-se a chave para um universo literário. Para o poeta dos olhos bondosos, a idade sempre foi relativa, embora sua infância estivesse sempre presente.

Infância

Ionesco lembra que, quando tinha três anos, queria ser vendedor de castanhas. Aos três anos e meio, queria ser oficial do Exército e, aos quatro anos, médico. "Mas, na verdade, só podia e queria fazer literatura. Nenhum gênero especial… só literatura", dizia o dramaturgo.

O desejo profissional do pequeno Eugène se realizou depois de um longo caminho. Nascido em Slatina, na Romênia, em 1909, sua família mudou várias vezes de endereço e também de país. Seu pai advogado e funcionário público, queria que o filho se tornasse algo "decente".

Szene aus der franzözischen Inszenierung von Jean-Luc Lagarce der Kahlen Sängerin

'A Cantora Careca' na montagem de Jean-Luc Lagarce

Depois do divórcio dos pais, sua mãe assumiu a educação do jovem, permitindo que ele mais tarde estudasse Filosofia, Francês e Literatura na Universidade de Bucareste. Em meados da década de 1940, Ionesco mudou-se definitivamente para Paris, onde descobriu cedo seu amor pelo teatro.

A paixão pelo teatro

Quando tinha apenas quatro anos, o pequeno Eugène fora a um teatro de fantoches acompanhado da mãe. Durante a peça, todos à sua volta davam risada, menos ele. A mãe pensou que o filho estava entediado e quis ir embora, mas era justamente o contrário. "Eu não estava de forma alguma entediado. Eu estava absolutamente fascinado, enfeitiçado… entusiasmado!", contou mais tarde o dramaturgo.

O teatro se tornou uma obsessão pela qual Ionesco acabou sacrificando os estudos e que nunca mais o deixaria em paz. Nos anos de 1950, escreveu suas primeiras peças, inicialmente em romeno, a língua de seu pai, depois em francês.

À Cantora Careca, uma espécie de absurdo teatro de fantoches para adultos, seguiu La Leçon (A Lição), uma paródia drástica e cômica sobre as consequências mortíferas de convenções pedagógicas e linguísticas, na qual uma professora de reforço escolar assassina sua aluna no final.

No entanto, Ionesco tornou-se conhecido – inclusive internacionalmente – somente dez anos depois com Rhinocéros (Os Rinocerontes), uma fábula de animais sobre o poder do mal e o oportunismo.

O feitiço do nonsense

Comum a todos os dramas de Ionesco é o caráter de marionete de seus personagens e os diálogos mecânicos e desprovidos de senso através dos quais os personagens não necessariamente se comunicam. Para ele, esta era uma imagem do mundo totalmente sem sentido e esperança.

Die kahle Sängerin von Eugène Ionesco

'A Cantora Careca' em encenação de Philip Tiedemann em Berlim

"Acho absurdo existir", dizia o dramaturgo. "Não considero a vida em si absurda. A história não é absurda, ela é lógica, é possível explicá-la. É possível explicar por que as coisas acontecem. O absurdo não está no interior da existência, mas a existência em si me parece inimaginável, impensável. Por que será?", questionava Ionesco.

Um pergunta que nem mesmo suas peças conseguem responder. Enquanto o irlandês Samuel Beckett, outro representante do Teatro do Absurdo, apresentava uma obra pessimista e hermética, as obras de Ionesco não continham uma atmosfera apocalíptica, mas antes uma alegria anárquica. Uma característica que lhe trouxe o desprezo de ideólogos de esquerda nos anos de 1970, mas que até hoje o público sabe apreciar.

Quinze anos após sua morte, Ionesco ainda é de longe o dramaturgo francês mais apreciado. No pequeno Théatre de la Huchette, no Quartier Latin de Paris, suas peças são encenadas ininterruptamente há mais de 50 anos.

Para Nicolas Bataille, ator, diretor e fã de Ionesco desde o começo, isso se deve principalmente ao fato dele não ser um intelectual no sentido depreciativo da palavra, pois para entendê-lo não é preciso quebrar a cabeça..

Autor: Holger Romann (jbn)
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais