Mesmo sem carisma, Dilma poderá trazer ″futuro negro″ para oposição | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 26.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Mesmo sem carisma, Dilma poderá trazer "futuro negro" para oposição

Imprensa europeia acredita que Lula é a grande estrela da campanha para presidente do Brasil, o que ameniza a falta de carisma de Dilma. Há quem argumente que a oposição pode estar diante de um "futuro negro".

default

Dilma Rousseff: campanha eleitoral ou telenovela?

Embora em países diferentes, o alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), o inglês The Guardian, o espanhol El País e o francês Libération parecem ter a mesma percepção de Dilma Rousseff: desconhecida até há pouco, a candidata petista tem pouco ou nenhum carisma; mesmo assim, tudo indica que ela pode vencer a eleição já no primeiro turno.

A reportagem "O terceiro mandato paternalista de Lula", publicada no site do FAZ, chega a afirmar que a disputa não será vencida por Dilma, mas pela popularidade do presidente em fim de mandato. O jornal cita ainda outro fator que beneficia a candidata do PT: "José Serra ainda não conseguiu mostrar o que quer fazer de diferente e melhor do que Lula".

O jornal alemão traça semelhanças entre a participação de Lula no programa eleitoral de Dilma e o enredo de novelas. "Lula chama Dilma carinhosamente de 'minha filha', mas também de 'minha presidente'", ressalta o autor, reproduzindo diálogos exibidos no vídeo de campanha da candidata.

Mas, na visão do FAZ, nem o passado guerrilheiro nem o câncer recém-tratado de Dilma deverão influenciar a escolha do eleitorado brasileiro.

Influência da televisão

Um editorial do The Guardian publicado em 25 de agosto afirma que, "desde o início, já se sabia que Dilma Rousseff teria grande vantagem sobre os adversários, pois foi escolhida como sucessora por um dos presidentes mais populares da história do Brasil".

O jornal se mostra impressionado com a campanha eleitoral de Dilma exibida na televisão: "Não é preciso falar português para notar que suas primeiras inserções na TV simplesmente destroem as dele [de José Serra]".

A publicação inglesa enaltece a performance estratégica de Dilma diante das câmeras, salientando "a importância da televisão num país em que os níveis de analfabetismo ainda são altos".

O The Guardian adverte que um futuro governo da candidata de Lula ainda é misterioso, mas avalia que Dilma não deve se afastar demais do estilo de governo do seu predecessor. Quanto à falta de experiência em pleitos eleitorais, o jornal conclui: "Ela não precisa saber como se faz uma campanha – ela tem o Lula. E você já viu os vídeos dela?"

"Futuro negro" para a oposição?

O francês Libération também destaca a influência das imagens televisivas na campanha de Dilma, mas atribui o resultado favorável das pesquisas eleitorais "exclusivamente" à popularidade do chefe atual de governo.

O El País concluiu que a falta de carisma de Dilma não a abala e já admite a possibilidade de a oposição brasileira estar diante de um futuro negro.

"Para o PSDB foi muito difícil fazer oposição a Lula, apesar dos escândalos que assolaram o Executivo [...]. Agora então vai ser praticamente impossível, caso a candidata de Lula – que ele converteu em triunfadora quando era uma grande desconhecida – acumular tanto poder como profetizam as pesquisas.

A ponto de, enquanto nos círculos próximos ao governo já se especula quem poderiam ser os novos ministros, a oposição falar em uma possível fusão de partidos para que o país não fique órfão da mesma."

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais