1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel quer maior convergência euro-americana

Após a Alemanha ter assumido a presidência da EU e do G8, Merkel discute com Bush metas econômicas bilaterais e a agenda do grupo dos maiores países industrializados.

default

Merkel e Bush em novembro passado, em Riga

A premiê alemã, Angela Merkel, viaja a Washington nesta quinta-feira (04/01), para encontrar o presidente norte-americano, George W. Bush. Os chefes de governo discutem o conflito no Oriente Médio, a situação no Iraque e no Afeganistão e o controverso programa atômico do Irã. O estreitamento das relações econômicas transatlânticas também será tema do encontro.

Esta é a primeira viagem da chanceler federal após a Alemanha ter assumido a presidência rotativa da União Européia e do G8. Merkel pretende apresentar a Bush a agenda para o grupo – que reúne as maiores nações industrializadas e a Rússia – e acertar os preparativos para a tradicional cúpula euro-americana, a realizar-se em abril próximo nos EUA.

Oposição alemã exige firmeza quanto a Guantánamo

Na Alemanha, políticos da oposição exigiram uma postura firme da premiê na política do Oriente Médio. O presidente do Partido Liberal, Guido Westerwelle, reiterou que Merkel não pode poupar Bush de tocar em assuntos como o respeito aos direitos humanos e a controversa prisão norte-americana de Guantánamo, em Cuba. Para os verdes, também cabe a Merkel insistir que a luta contra o terrorismo deve ser travada com respeito ao Estado de direito.A Confederação da Indústria Alemã (BDI) espera que Merkel consiga convencer Bush a negociar um acordo de relações econômicas transatlânticas. Para a Câmara Americana de Comércio na Alemanha, a intensificação das relações euro-americanas depende da iniciativa de ampliar o livre comércio, melhorar o direito de patentes, reduzir as taxas alfandegárias e introduzir padrões tecnológicos comuns. Segundo a agremiação, a União Européia e a América do Norte representam 72% do produto interno bruto (PIB) mundial.

Leia mais