1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel promete "tolerância zero" contra xenofobia

Chanceler federal alemã afirma que lei punirá quem desrespeitar refugiados. Crise migratória serve como teste para o ideal de direitos civis universais da UE, e países- membros devem compartilhar responsabilidade, diz.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou nesta segunda-feira (31/08) que a crise dos refugiados na Europa é um teste para os ideais da União Europeia (UE) e que a força da lei pesará sobre aqueles que desrespeitarem os que chegam ao país em busca de refúgio.

"Haverá tolerância zero contra aqueles que colocarem em questão a dignidade de outras pessoas", declarou Merkel, em coletiva de imprensa em Berlim. A Alemanha vem sendo palco de frequentes ataques contra abrigos de refugiados.

A chefe de governo pediu paciência por parte da população, afirmando que a questão migratória não será resolvida de um dia para o outro. "Enfrentamos um desafio nacional. Este desafio não durará apenas alguns dias ou meses, mas um longo período", declarou. "O rigor alemão é ótimo, mas agora precisamos da flexibilidade alemã."

A Alemanha espera receber

800 mil refugiados em 2015

, quatro vezes mais que no ano passado e mais do que qualquer outro país da UE. A chanceler federal afirmou que, mesmo em razão da atual crise migratória, novas leis de imigração no país não estão sendo cogitadas.

O Partido Social-Democrata (SPD), que integra a coalizão governista juntamente com a União Democrata Cristã (CDU) de Merkel, havia exigido uma revisão das leis de imigração no país, mas Merkel descartou essa possibilidade, afirmado que esta não é uma "tarefa urgente". Ela afirmou que, primeiro, será necessário saber de que forma o grande número de refugiados e requerentes de asilo no país irá afetar o mercado de trabalho.

Direitos universais

A chanceler federal destacou ainda que direitos civis universais estão fortemente ligados à Europa e à sua história, tendo servido de impulso para a fundação da União Europeia. "Se a Europa fracassar na questão dos refugiados, se essa ligação com os direitos universais for rompida, então, não será a Europa que desejávamos", afirmou.

Todos os países-membros da UE devem receber uma parcela dos refugiados no continente, ressaltou a chefe de governo. "A Europa como um todo precisa agir. Os Estados-membros devem compartilhar a responsabilidade por requerentes de asilo."

Merkel afirmou estar confiante de que a Europa irá enfrentar esse desafio, lembrando obstáculos anteriores, como a crise financeira de 2008 e outros problemas que a Alemanha conseguiu superar – desde a reunificação em 1990 até a eliminação progressiva da utilização da energia nuclear, atualmente em curso.

RC/dpa/afp/rtr

Leia mais