1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel participará de marcha pela tolerância em Berlim

Chanceler federal alemã irá a manifestação organizada pela comunidade muçulmana em defesa de uma Alemanha "aberta e tolerante". Políticos da oposição também deverão estar presentes.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, confirmou que vai participar de uma marcha por uma Alemanha "aberta e tolerante", marcada para esta terça-feira (13/01) em Berlim.

A manifestação, convocada por organizações muçulmanas da Alemanha e grupos da comunidade turca, pretende homenagear as vítimas dos ataques terroristas ocorridos em Paris na última semana.

A participação da chanceler foi anunciada por seu porta-voz em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira. Merkel também esteve presente na

marcha pela unidade

realizada em Paris no domingo, que contou com a presença de vários líderes internacionais.

Além de Merkel, também deverão estar presentes em Berlim o vice-chanceler Sigmar Gabriel e os ministros Frank-Walter Steinmeier (Exterior), Thomas De Mazière (Interior) e Heiko Maas (Justiça). Outros membros do governo e da oposição também deverão participar do evento no Portão de Brandemburgo.

"Terror, não em nosso nome!"

Os organizadores afirmam que o objetivo da marcha é condenar a violência e a divisão social. O Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha afirmou que a vigília será realizada sob o lema: "Vamos ajudar uns aos outros. Terror, não em nosso nome!"

A comunidade turca de Berlim condenou os "desprezíveis ataques terroristas" na França e afirmou que, no islã, "não há justificativa para tais atos".

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, iniciou nesta segunda-feira uma visita a Berlim. A imprensa turca noticiou que ele deverá pedir a Merkel que use ações concretas para lidar com o que considera como um crescente sentimento anti-islâmico na Alemanha.

Dos 80 milhões de habitantes da Alemanha, cerca de quatro milhões são muçulmanos. Três quartos dele têm origem turca – a metade com cidadania alemã.

RC/afp/dpa

Leia mais