1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel inicia novo capítulo nas relações teuto-americanas

Apesar de divergências na luta antiterror, Merkel e Bush buscam novo impulso nas relações bilaterais. Interesses econômicos e culturais comuns e consenso na questão nuclear do Irã. Moscou na agenda de Merkel esta semana.

default

Merkel faz balanço positivo da primeira visita oficial aos EUA

Ao retornar de sua visita de dois dias a Washington, neste sábado (14/01), Angela Merkel fez um balanço positivo de sua primeira viagem oficial aos Estados Unidos na condição de chefe de governo da Alemanha.

Além da parceria no combate ao terrorismo, a chanceler federal sugeriu intensificar aspectos econômicos nas relações teuto-americanas, como as relações comerciais com a China e a Índia. Ao mesmo tempo, defendeu que os Estados Unidos sejam o país tema na Feira do Livro de Frankfurt: "Isto contribuiria com as relações culturais entre os dois países", justificou.

Angela Merkel in Washington USA George Bush

Bush encantado com a chanceler federal alemã

O presidente dos EUA, George W. Bush, havia dedicado três horas de sua agenda à primeira mulher chanceler federal da Alemanha, nesta sexta-feira (13/01), num sinal de que está superada a fase difícil das relações com o antecessor, Gerhard Schröder. Para Merkel, "talvez tenha sido iniciado um novo capítulo nas relações entre os dois países".

Merkel elogia franqueza de Bush

A chefe do governo alemão elogiou a franqueza de Bush: "Ele com certeza não é ninguém que esconde sua opinião. Isto por outro lado possibilita que a gente apresente a própria opinião e assim surge um diálogo bastante dinâmico".

A Alemanha é realmente o país mais importante no coração da Europa, por isso é de interesse vital que a Alemanha desempenhe um papel de liderança em temas centrais, salientou o presidente dos Estados Unidos. George W. Bush disse se alegrar com a parceria com Merkel: "Minha primeira impressão é enormemente positiva. Ela é esperta, é extremamente competente, tem um temperamento encantador e ama a liberdade. Teremos uma relação muito boa e isto é importante para as populações de ambos os países", salientou o presidente norte-americano.

Angela Merkel in den USA

No jantar na embaixada alemã em Washington, Merkel sentou-se ao lado de Alan Greenspan, secretário do Tesouro (e), e Colin Powell, ex-secretário de Estado

Também o ex-secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, gostou de Merkel: "Ela fala clara, aberta e diretamente, o presidente gosta disto". Madeleine Albright, antecessora de Powell, salientou que Bush está muito interessado em uma boa relação com a chanceler federal alemã.

Críticas a Guantánamo

Merkel, que diferentemente de sua visita anterior a Washington só falou alemão na capital norte-americana, foi mais contida nos elogios e formulou claramente as condições de uma boa parceria. Se, por um lado, citou as experiências positivas da cooperação transatlântica nos Bálcãs, no Afeganistão e nas negociações da Organização Mundial do Comércio, por outro, reforçou as críticas a Guantánamo e sugeriu um debate nas Nações Unidas sobre a luta antiterror.

Bush argumentou que, apesar das divergências, os EUA não abrem mão do campo de prisioneiros. "Isto é necessário enquanto durar a missão antiterror e enquanto os cidadãos norte-americanos têm de ser protegidos". Bush garantiu ainda que os prisioneiros da base militar são tratados de forma humana e que, do ponto de vista norte-americano, as comissões militares são forma correta de julgá-los.

Häftling in Guantanamo

Críticas de Merkel a Guantánamo

A crítica de Merkel a Guantánamo em Washington teve repercussão positiva na Alemanha, tanto de representantes do Partido Social Democrata, seu parceiro na coalizão de governo, como dos liberal-democratas, o maior partido de oposição.

China, Rússia, Iraque e BND

Também em relação aos papéis estratégicos da China e da Rússia no mundo e sobre a necessidade de uma solução diplomática para o impasse nuclear iraniano, há consenso entre Berlim e Washington, disse Merkel. Por seu lado, Bush agradeceu o engajamento alemão nas reconstruções do Afeganistão e do Iraque, "apesar das divergências teuto-americanas em relação à guerra".

Quanto às acusações de que agentes do serviço secreto alemão BND ajudaram a localizar alvos nos bombardeios dos EUA em Bagdá, o presidente disse ter "ouvido sobre isso pela primeira vez nos últimos dias".

Já em relação às relações com a Moscou, Merkel afirmou que a Alemanha ambiciona o papel de mediadora na Europa. Segundo ela, não se podem medir os valores empíricos da Rússia de forma paritária com os as nações ocidentais. "Estas devem buscar uma parceria estratégica e defender os próprios valores".

A chanceler federal alemã, que fala fluentemente russo, terá chance para isso nesta segunda-feira (16/01), quando será recebida em Moscou pelo presidente Vladimir Putin. Um dos temas da conversa entre ambos deve ser o abastecimento de energia, já que a Rússia é um importante fornecedor de petróleo e de gás natural à Alemanha.

Leia mais