1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel, início turbulento

Mal começou seu governo e a chanceler alemã já teve a prova de que o seu mandato não será um mar de rosas. Vôos clandestinos da CIA e seqüestro no Iraque estão entre as primeiras pedras no caminho de Angela Merkel.

default

Já no começo do governo, Merkel precisa mostrar pulso firme

Em sua primeira declaração no Parlamento Alemão (Bundestag) como chefe de governo, nesta quarta-feira (30/11), Angela Merkel reiterou o desejo de que a grande coalizão seja uma ferramenta para que mudanças aconteçam no país.

Ao mesmo tempo, propôs a igualdade social e o combate ao desemprego como prioridades. Merkel se manifestou ainda sobre temas delicados.

Integração de imigrantes

Para evitar o desenvolvimento de "sociedades paralelas", a chanceler federal destacou seu desejo de promover a integração dos imigrantes. Merkel ressaltou que o acordo estabelecido pela coalizão que garantiu sua eleição tem como título "juntos pela Alemanha".

REGIERUNGSERKLAERUNG MERKEL

Merkel: 'Mais liberdade e mais igualdade'

Entre as medidas que evitariam que tais grupos que "não levam em conta os valores básicos de convivência no país fossem criados, está a necessidade do aprendizado do alemão nas escolas pelos filhos de estrangeiros", sugere Merkel.

A medida é uma forma de introduzir a cultura do país entre comunidades de imigrantes, que ainda mantêm regras internas próprias e que são condenadas pelo governo alemão. Exemplo disso são os casamentos forçados e os crimes de honra, que foram duramente criticados pela chanceler.

"Como mulher, digo claramente que estes atos não têm nada, mas nada a ver com a honra e não têm nada a ver, mas nada a ver com nossa sociedade. Não toleraremos isso", enfatizou.

Reformas

Merkel agradeceu ao ex-chanceler por ter "aberto com coragem a porta para as reformas", ao lançar seu programa de mudanças econômicas Agenda 2010. "Quero agradecer a ele em nome de todos os alemães", disse a chanceler democrata-cristã.


Leia mais