1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel freia expectativas de acordo de paz em Moscou

Chanceler federal se mostra cautelosa quanto a sucesso da iniciativa conduzida por ela e pelo presidente Hollande, que vão se reunir com Vladimir Putin na capital russa. Em Paris, Hollande fala em "um primeiro passo".

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, mostrou-se cautelosa, nesta sexta-feira (06/02), em relação às chances de sucesso da iniciativa de paz que ela e o presidente François Hollande conduzem na Ucrânia e na Rússia. "Não sabemos se vai dar certo, talvez novas conversações sejam necessárias", afirmou em Berlim.

Merkel disse que o objetivo da missão é acabar o mais rápido possível com o conflito no leste da Ucrânia. Ela reiterou que não existe uma solução militar para o conflito. Merkel e Hollande elaboraram uma nova proposta de paz, com base no acordo de Minsk, e a apresentaram nesta quinta-feira ao presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko. Nesta sexta, eles estarão em Moscou, para expor os planos ao presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A chanceler desmentiu novamente informações divulgadas pelo jornal Süddeutsche Zeitung, segundo o qual a proposta prevê, além de um cessar-fogo imediato, a concessão de mais autonomia aos separatistas do leste da Ucrânia. Essa autonomia seria ampla e abrangeria um território maior do que o acertado anteriormente. "Como chanceler alemã, eu nunca vou passar por cima de outro país, neste caso a Ucrânia, ocupando-me com questões territoriais. Isso está fora de questão."

Além disso, ela e Hollande não se apresentam como negociadores neutros, afirmou Merkel. "Trata-se de defender os nossos interesses – alemães, franceses, principalmente europeus. Trata-se de paz, de uma ordem europeia pacífica, da sua manutenção e da autodeterminação dos povos", declarou Merkel em Berlim.

Em Paris, Hollande disse que ele e Merkel vão se encontrar com Putin com o objetivo "buscar um acordo" para resolver a crise. "Qualquer um sabe que o primeiro passo é um cessar-fogo, mas que isso não é suficiente e que falta ainda buscar um acordo mais amplo", declarou, pouco antes de partir para Moscou.

Armas para a Ucrânia

Além de Merkel e Hollande, Poroshenko também recebeu em Kiev, nesta quinta-feira, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry. Durante o encontro, o presidente ucraniano voltou a solicitar o envio de armas pelos Estados Unidos, mas o representante americano deixou em aberto se o pedido será atendido. Os Estados Unidos priorizam a solução diplomática, afirmou Kerry.

"Queremos uma solução diplomática, mas não podemos fechar os olhos para os tanques que estão atravessando a fronteira com a Rússia e entrando em território da Ucrânia. Não podemos fechar os olhos para soldados russos usando uniformes sem insígnias cruzando a fronteira e liderando os chamados separatistas no campo de batalha", disse. "Os Estados Unidos não procuram o conflito com a Rússia. Ninguém procura. Nem o presidente Petro Poroshenko, nem os Estados Unidos, nem os europeus", declarou o secretário de Estado.

Em Moscou, o governo russo advertiu que uma eventual entrega de armas pelos Estados Unidos à Ucrânia causaria um "dano colossal" às relações entre os EUA e Rússia, além de provocar um acirramento no conflito ucraniano e ameaçar a segurança da Rússia. "Isso ameaça não só provocar um acirramento da situação no sudeste da Ucrânia, como a segurança da Rússia, cujo território tem sido repetidamente bombardeado a partir da Ucrânia", disse um porta-voz do Ministério do Exterior.

AS/lusa/rtr/ap/dpa/afp

Leia mais