1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel espera que refugiados voltem para casa

Em conferência da CDU, chanceler alemã diz que maioria dos refugiados da Síria e Iraque podem deixar a Alemanha quando conflitos em seus países cessarem. Merkel também defende proteção das fronteiras externas da UE.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, espera que a maioria dos refugiados da Síria e do Iraque voltem para casa depois que os conflitos em seus países de origem tiverem fim.

Num encontro regional do seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), Merkel tentou reduzir o teor das críticas sobre a política de portas abertas a requerentes de asilo adotada pelo seu governo.

"Precisamos dizer às pessoas que esse é um status temporário de residência e esperamos que, assim que a paz voltar à Síria e o Estado Islâmico ser derrotado no Iraque, elas voltem para seus países com o conhecimento que adquiriram", afirmou a membros do partido neste sábado (31/01).

A chanceler usou o exemplo dos refugiados da antiga Iugoslávia que se instalaram na Alemanha nos anos 1990. Segundo Merkel, 70% deles voltaram para casa.

Em 2015, a Alemanha recebeu mais de 1 milhão de refugiados. O líder do partido parceiro da coalizão de Merkel, a União Social Cristã (CSU), Horst Seehofer, ameaçou ir à justiça contra o governo caso o fluxo de requerentes de asilo no país não seja reduzido.

Fronteiras abertas

Merkel também afirmou que os estados-membros da União Europeia (UE) sofreriam caso o Acordo de Schengen, que prevê livre circulação no bloco, entrasse em colapso e as fronteiras fossem fechadas. Para a chanceler, os países deveriam se preocupar em proteger as fronteiras externas do bloco.

De acordo com a agência fronteiriça da UE, Frontex, mais de um milhão de migrantes devem tentar entrar na Europa através do mar Mediterrâneo ou dos Bálcãs ao longo deste ano.

KG/dpa/rtr/afp

Leia mais