1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel e Hollande: cenas de um casamento de conveniência

Especulações sobre uma tensa relação com a chanceler federal fazem com que presidente francês reafirme que Berlim e Paris trabalham em conjunto em nome da Europa. França e Alemanha celebram 50 anos do tratado de amizade.

Durante a recente cúpula da União Europeia, no final de junho, o presidente da França, François Hollande, manifestou mais uma vez firme apoio às posições da Itália e da Espanha. Pela primeira vez, estes países haviam arrancado da chanceler federal alemã, Angela Merkel, concessões quanto à aplicação das verbas do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF).

Houve especulações sobre uma possível "coalizão contra Merkel". Assim, Hollande sentiu-se obrigado a esclarecer suas expectativas sobre o papel da França e da Alemanha na UE, assim como o futuro de suas sensíveis relações bilaterais.

Juntos pela Europa, sem ordens superiores

Com suas advertências inequívocas, o presidente francês antecipou eventuais desconfianças, entre os parceiros europeus, em relação a um eixo franco-alemão. Em Paris e Berlim, as relações não devem ser vistas "como um diretório, no qual a França e a Alemanha decidem sozinhas em nome da Europa", disse ao jornal L'Union.

E completou: "Juntamente com Merkel, temos o dever de cuidar para que nossos interesses comuns representem uma força para toda a Europa". A premiê e ele estariam de acordo sobre a necessidade de que os demais Estados estejam integrados.

"Às vezes, certos países podem sentir-se excluídos, ou forçados a aceitar um acordo que já tenha sido negociado por nossos dois países", admitiu, referindo-se às estratégias adotadas antes e durante a cúpula. Certamente não haverá avanços se França e Alemanha não encontrarem um consenso entre si, mas é preciso "prestar atenção em cada passo, para que a Europa possa tornar-se mais forte".

Charlkes de Gaulle (dir.) e Konrad Adenauer assinam tratado no Palácio do Eliseu

Charlkes de Gaulle (dir.) e Konrad Adenauer assinam tratado no Palácio do Eliseu

No espírito do Tratado do Eliseu?

Neste domingo (08/07), Hollande e Merkel abrem na cidade de Reims, no norte francês, as festividades dos 50 anos do tratado de amizade entre seus dois países.

Na Catedral de Reims, em 8 de julho de 1962, o presidente francês Charles de Gaulle e o chanceler federal Konrad Adenauer participaram de uma "Missa pela Paz". Poucos meses mais tarde assinavam o Tratado do Eliseu – assim denominado por ter sido assinado no Palácio do Eliseu, onde se localiza o gabinete presidencial francês – selando a reconciliação entre a Alemanha e a França.

Angela Merkel (esq.) visita François Hollande em Paris

Angela Merkel (esq.) visita François Hollande em Paris

No início de maio, o socialista François Hollande venceu as eleições presidenciais, substituindo seu antecessor, o conservador Nicolas Sarkozy. Na sexta-feira, ele voltou a refutar alegações de que sua relação com Merkel seria abalada ou tensa devido a noções divergentes, sobretudo na política europeia. Segundo o chefe de Estado francês, essas relações "não são más".

Numa entrevista à revista Marianne, ele fora bem mais positivo em relação à premiê democrata-cristã: "Sabe-se o que ela quer. Ela é disposta a ceder, mas ao mesmo tempo mantém a própria posição".

Por sua vez, antecipando o encontro, Merkel incitou à ação conjunta no contexto da crise de endividamento na zona do euro. Quanto à união dentro da Europa, antecipada por De Gaulle e Adenauer, a chanceler garante: "é justamente nisso que trabalhamos juntos, Alemanha e França. E também o fazemos em face dos atuais desafios".

AV/dw/afp/dpa/rtr
Revisão: Mariana Santos

Leia mais