Merkel e cinco ministros alemães iniciam visita aos Estados Unidos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel e cinco ministros alemães iniciam visita aos Estados Unidos

Crise do euro, sucessão no FMI e saída das tropas do Afeganistão são alguns dos assuntos em pauta. Angela Merkel também vai receber de Obama a Medalha da Liberdade, maior distinção civil nos EUA.

Obama convidou Merkel para um jantar em Washington

Obama convidou Merkel para um jantar em Washington

A lista de assuntos em discussão durante a visita da chanceler federal alemã, Angela Merkel, aos Estados Unidos é longa: a situação no Norte da África, a presença militar no Afeganistão, as negociações no Oriente Médio, a crise do euro e a conjuntura econômica na Alemanha e nos Estados Unidos.

A visita oficial da chefe do governo alemão começou nesta segunda-feira (06/06), com um jantar com o presidente Barack Obama. Nesta terça, Merkel será recebida com honras militares por Obama na Casa Branca. A relação entre os dois líderes não passou incólume pela abstenção alemã no Conselho de Segurança da ONU durante a votação que determinou a operação militar na Líbia.

A comitiva de ministros que acompanha Merkel sinaliza a importância da visita – Philipp Rösler, da Economia, Thomas de Maizière, da Defesa, Wolfgang Schäuble, das Finanças, Hans-Peter Friedrich, do Interior, e Guido Westerwelle, do Exterior. Este usou bons adjetivos para classificar as relações entre os dois países: "próxima", "de igual para igual", "amigável". É a maior delegação alemã numa visita aos EUA desde os tempos do ex-chanceler federal Helmut Kohl.

Afeganistão

Na tarde dessa terça-feira, Merkel encontra-se com o vice-presidente Joe Biden, com a secretária de Estado Hillary Clinton e com senadores. As conversas serão focadas no conflito no Oriente Médio e na missão no Afeganistão – a escolha do novo diretor-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional) também deverá ser discutida.

O time de especialistas em segurança de Obama estaria considerando uma saída mais rápida das tropas no país asiático. Os motivos seriam o elevado custo da operação e a morte de Osama bin Laden, conforme reportou o New York Times. Os Estados Unidos intencionam iniciar a retirada já no começo de julho e a Alemanha apenas no final de 2011.

Em entrevista, De Maizière lembrou que as tropas norte-americanas ganharam 30 mil novos soldados no ano passado para intensificar a ação contra os talibãs, e já naquela época os Estados Unidos anunciaram que iriam começar a deixar o país em junho de 2011. Sobre a provável retirada dos alemães no fim do ano, Westerwelle comentou: "Os atentados e as adversidades que vemos lá são terríveis. Ainda assim, isso não quer dizer que iremos ficar outros dez anos com as nossas tropas no Afeganistão".

Medalha da Liberdade

Além de cumprir a agenda política, Merkel vai receber a Medalha da Liberdade das mãos de Obama, tida como a mais elevada premiação civil dos Estados Unidos. Ela é a segunda política alemã a receber a distinção, depois do ex-chanceler federal Helmut Kohl.

Esta é a sexta vez que Merkel visita os Estados Unidos durante o governo Obama. O presidente norte-americano já esteve diversas na Alemanha, mas não ainda em caráter oficial em Berlim.

NP/dpa/afp/rts
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais