1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel diz que não vai divulgar termos de busca da NSA

Chanceler federal afirma que, por ora, palavras-chave rastreadas pela agência de inteligência alemã para os EUA serão mantidas em segredo. Mas outros documentos serão fornecidos à comissão encarregada do caso BND-NSA.

O governo da Alemanha não vai divulgar, por enquanto, a lista dos seletores – termos de busca, nomes e endereços IP – que o Departamento Federal de Informações da Alemanha (BND) rastreou para a Agência de Segurança Nacional americana (NSA), disse a chanceler federal, Angela Merkel, nesta terça-feira (06/05).

Segundo a imprensa alemã, o

BND teria ajudado a Agência de Segurança Nacional (NSA) a espionar autoridades e empresas na Europa

. Entre os alvos estariam altos funcionários do governo francês e da Comissão Europeia, além de companhias como a Airbus.

A Alemanha está em "processo de consulta" com os EUA, e somente quando este for concluído decisões poderão ser tomadas, afirmou Merkel em entrevista à emissora Radio Bremen. Até a conclusão do processo, o governo vai colocar "outros e muitos documentos" à disposição da comissão parlamentar encarregada de analisar o caso BND-NSA.

A chanceler federal reconheceu que há "necessidade de esclarecimento" em relação à cooperação entre as agências de inteligência alemã e americana e, para tal, foi instituída a comissão parlamentar. Na entrevista, a líder alemã voltou a destacar a

importância da cooperação internacional entre agências de inteligência

.

Ao contrário de Merkel, o vice-chanceler Sigmar Gabriel sustenta que o Bundestag (câmara baixa do Parlamento) deve ter acesso à lista de termos de busca da NSA. "O Parlamento precisa saber se, na cooperação com a NSA, houve uma violação da lei por parte do BND. A opinião pública também precisa saber", afirmou.

A oposição acusa a agência de inteligência federal de ter agido de forma ilegal ao ajudar a NSA a espionar empresas e indivíduos na Europa. Merkel defendeu repetidamente o trabalho do BND e afirmou que, se necessário, responderá a perguntas diante da comissão parlamentar.

LPF/dpa/rtr/afp

Leia mais