Merkel defende ingresso da Geórgia na Otan | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel defende ingresso da Geórgia na Otan

Em Tbilisi, a chanceler federal alemã sinalizou o apoio alemão ao ingresso da Geórgia na Otan e reforçou que os russos devem retirar suas tropas do país o mais rápido possível.

default

Merkel prometeu ajuda financeira a Saakashvili (d)

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, visitou neste domingo (17/08) Tbilisi, a capital da Geórgia, como parte dos esforços europeus de mediação do conflito entre este país e a Rússia no que concerne às duas províncias separatistas georgianas da Ossétia do Sul e da Abkházia.

Pouco antes de seu encontro com o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, Merkel sinalizou que a Alemanha, até então pouco entusiástica quanto ao ingresso da Geórgia à Otan, poderá repensar sua posição a respeito.

"A proposta de ingresso certamente será revisada em dezembro e nós a avaliaremos minuciosamente", afirmou. "A Geórgia se tornará um membro da Otan se é isso que ela quer, e é isso que ela quer", disse Merkel à imprensa.

A premiê alemã pressionou Saakashvili a obedecer ao acordo de cessar-fogo assinado no sábado (16/08) pela Rússia e na sexta-feira pela Geórgia. Em uma entrevista coletiva ao lado do presidente, Merkel cobrou que a Rússia retire todas as suas tropas do território georgiano.

"Segundo a informação que tenho no momento, a retirada da Rússia ainda não começou", criticou. O presidente russo, Vladimir Medvedev, anunciou também no domingo que a Rússia dará início à retirada de suas tropas da Geórgia ao meio-dia da segunda-feira, concentrando-as apenas na Ossétia do Sul.

Georgien Russiche Soldaten springen von einem Panzer am Inguren Damm Abchasien und Georgien

Estima-se que ainda haja mais de 10 mil soldados russos na Geórgia

Alemanha poderá enviar soldados

As forças russas de "manutenção da paz" deveriam retornar às posições na Ossétia do Sul que ocupavam antes do início do conflito e só patrulhar em uma zona de segurança de dez a 15 quilômetros, a ser criada dentro do território georgiano, até que entre em operação um mecanismo internacional de vigilância. "Creio que há um consenso quanto à criação de tal zona temporária", disse Merkel.

O ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, salientou, em entrevista ao periódico francês Journal du Dimanche, que "os maiores abusos são cometidos em períodos de cessar-fogo" e que "é absolutamente necessário que continuem as pressões diplomáticas e políticas". Ele se mostrou a favor do envio de uma força internacional de manutenção da paz à região.

Também Merkel alertou para a necessidade do envio de observadores internacionais e sinalizou a disposição da Alemanha de enviar soldados para as tropas de paz. Saakashvili, no entanto, deixou claro que soldados russos não poderão fazer parte de tais tropas.

Europa promete ajuda financeira

Russland Deutschland Angela Merkel bei Dimitri Medwedew in Sotschi

Merkel reforçou integridade territorial da Geórgia a Medvedev

Em Tbilisi, Merkel anunciou que a Geórgia poderá contar com ajuda financeira européia para reconstruir parte de sua infra-estrutura destruída pelos ataques russos. O assunto será tema de uma sessão extraordinário dos ministros europeus das Relações Exteriores na terça-feira (19/08) em Bruxelas.

Durante um encontro com o presidente russo Medvedev no sábado na cidade de Sotchi, no Mar Negro, Merkel já havia reforçado que a integridade territorial da Geórgia está absolutamente fora de questão e que suas fronteiras devem ser respeitadas. Além disso, salientou seu apoio ao presidente Saakashvili, que é um político democraticamente eleito.

Leia mais