1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel completa uma década no poder

Chanceler federal alemã se tornou conhecida pela sua estratégia de esperar para ver e pela capacidade de se impor. A questão dos refugiados criou um desafio que pode determinar como ela vai encerrar sua era no poder.

Algumas vezes, ela surpreende aliados e adversários. Isso aconteceu em agosto de 2015, quando refugiados do Oriente Médio, da África e dos Bálcãs se deslocavam rumo à Alemanha. Não eram milhares nem dezenas de milhares – eram centenas de milhares.

Quando muitos políticos alemães já falavam abertamente em fechamento de fronteiras, ela surpreendeu com a declaração: "Não há limite máximo no direito de asilo". Angela Merkel, sempre cautelosa e temporizadora, partia para a ação. De repente e contra todas as expectativas.

Desde então, a grande pergunta é: ela sabe o que está fazendo?

Não se pode dizer que Merkel governe em tempos tranquilos. A questão dos refugiados é o maior desafio do seu governo, e a ela soma-se agora o perigo do terrorismo.

Após os atentados em Paris, Merkel exigiu: "Sabemos que a nossa liberdade é maior que qualquer terrorismo. Vamos dar uma resposta aos terroristas fazendo uso de nossos valores com determinação e fortalecendo esses valores para toda a Europa. Agora mais do que nunca".

Merkel und Putin St. Petersburg

Putin tentou impedir Merkel de discursar e levou um xeque-mate

O governo dela nunca foi livre de provações. Em 2013, ela quase caiu numa emboscada política em São Petersburgo: contrariando o que havia sido combinado, o presidente russo, Vladimir Putin, queria impedi-la de falar durante a abertura de uma exposição de exemplares da chamada arte saqueada. Diante da afronta, Merkel ameaçou encurtar sua estada na Rússia, colocando Putin em xeque. Uma vitória e uma prova da habilidade estratégica da governante alemã. Também em outras ocasiões, ela soube se impor.

"Merkelar": Silenciar, observar, e só depois agir

O escândalo de espionagem pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, porém, mostrou uma outra faceta de Merkel. Justamente um dos aliados mais próximos, os Estados Unidos, espionou a Alemanha, e fazendo uso de todos os requintes da arte da inteligência. Merkel protestou: "Fazer escutas, grampear telefones, isso não é admissível entre amigos. A Guerra Fria já acabou."

No início, porém, ela havia se calado, e só depois expressou a sua indignação por meio do porta-voz. "Ela esvazia todos os temas controversos", critica o historiador Edgar Wolfrum. Para ele, Merkel contorna os problemas e, no final, adere à opinião da maioria. Os críticos chamam esse estilo de fazer política de merkeln, algo como "merkelar" – não fazer nada de início, esperar para ver o que acontece e depois tomar uma decisão que agrade à maioria. Essa característica política lhe traz tanto respeito quanto desprezo.

Deutschland Bundestag Bundeskanzler Helmut Kohl und Angela Merkel 2000

A "menina do Kohl" se tornou a "mãe" da nação

Determinação pra valer ela mostrou no cenário europeu. Desde 2008, a chanceler federal alemã tem se ocupado com o gerenciamento de crises. Diante do enfraquecimento da Grécia, ela se empenhou para salvar o euro. "A política alemã – eu venho repetindo isso desde 2010 – é direcionada para manter a Grécia na zona do euro. Os fundamentos da nossa política, os nossos princípios permanecem os mesmos: esforço próprio e, por outro lado, solidariedade", disse Merkel.

Em Atenas, é melhor não mencionar o nome da chanceler federal alemã. Na verdade, em todo o sul da Europa. Mas internacionalmente predomina o apoio à política dela para o euro.

Pragmatismo merkeliano

É preciso conhecer as raízes de Merkel para entender como ela se tornou o que é. Pois nunca na história da Alemanha pós-1945 uma política havia sido tão subestimada como essa filha de um pastor protestante do interior do Leste alemão. Merkel, porém, não é uma missionária. Para ela, o pragmatismo está acima de tudo.

Isso fica evidente na capacidade de rever velhas posições. Depois do acidente nuclear em Fukushima, a antiga defensora da energia nuclear virou, da noite para o dia, uma apoiadora do fim desse tipo de fonte energética. "Não podemos simplesmente retornar à ordem do dia e continuar tendo, como referência para ações futuras, a até aqui indiscutível segurança das nossas instalações nucleares, sem considerar as consequências dos recentes acontecimentos."

Essa forma de agir nunca lhe trouxe prejuízos. Pelo contrário: a protegida do ex-chanceler federal Helmut Kohl se emancipou, deixando de ser a "menina do Kohl" para se tornar a "mãezinha" da nação. Ela tem o seu partido e o seu governo absolutamente sob controle. E há razões para isso.

Deutschland Angela Merkel Bundeskanzlerin Flüchtling Selfie

Política de refugiados decidirá destino político de Merkel

Tarde e por acaso

Angela Merkel chegou tarde à política. Mais por acaso do que por vontade. Como vice-porta-voz de Lothar de Maizière, último primeiro ministro da Alemanha Oriental, Merkel, então com 35 anos, teve a oportunidade de empregar as suas habilidades organizacionais e comunicativas, até então adormecidas. Sua adesão ao partido União Democrata Cristã (CDU) havia se dado pouco antes. Ela era aplicada – e passou a ser também ambiciosa.

Ainda no governo Kohl, ela se tornou ministra do Meio Ambiente e Segurança de Reatores em 1994. Uma pasta importante e apropriada para uma física com doutorado. Merkel se mostrou inflexível na controversa questão sobre como lidar com os resíduos radioativos da indústria nuclear. Para ela, a energia nuclear era gerenciável e necessária – uma posição que ela manteve até a catástrofe nuclear de Fukushima.

Quando Kohl perdeu as eleições parlamentares de 1998, a CDU estava em estado de choque. Wolfgang Schäuble, então o novo presidente do partido democrata-cristão, a escolheu para o cargo de secretária-geral. "O principal é aparecer nas manchetes", era o lema de Merkel na nova função.

Em dezembro de 1999, durante o escândalo de doações ilegais para a CDU, Merkel se afastou publicamente do seu mentor, Kohl, e convocou o partido a trilhar seu caminho sem ele. No início de 2000, Schäuble, também envolvido no escândalo, renunciou à presidência do partido, abrindo caminho para a ascensão de Merkel.

Capítulo final em aberto

Em abril de 2000, Merkel assumiu a presidência da CDU. Nas eleições de 2005, ela foi a candidata dos democratas-cristãos à Chancelaria Federal. O resultado das urnas obrigou à formação de uma grande coalizão com o Partido Social-Democrata (SPD). Merkel se tornava chefe de governo da Alemanha.

Merkel comanda a CDU há 15 anos e é chanceler federal há dez. Ela tirou do seu caminho todos os adversários políticos internos, sem exceção. E sempre age em silêncio. A algazarra, ela deixa para os homens do partido.

Este ano de jubileu pode definir o destino político de Merkel. Seu governo já entrou há muito para os livros de história, a Era Merkel já é uma realidade. Agora, a política para os refugiados pode decidir como ela fechará o seu capítulo na Chancelaria Federal em Berlim.

Leia mais