1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel chega à Turquia para discutir crise de refugiados

Viagem é considerada controversa na Alemanha, onde oposição acusa chanceler de estar fortalecendo o presidente Erdogan, ao visitar o país a duas semanas das eleições parlamentares turcas.

default

Merkel em Istambul, com presidente turco, Ahmet Davutoglu

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, desembarcou em Istambul nesta manhã de domingo (18/10), onde se encontra com o premiê turco, Ahmet Davutoglu, e com o presidente Recep Tayyip Erdogan. Principal assunto das reuniões é a crise dos refugiados na Europa. O programa da visita – a primeira de Merkel à Turquia em mais de dois anos e meio – não prevê reunião com representantes da oposição.

A visita é controversa dentro da Alemanha. A oposição acusa a chefe de governo de, com sua visita, fortalecer Erdogan e o partido dele, o islâmico conservador AKP, duas semanas antes das eleições parlamentares. "A Europa não pode proteger as suas fronteiras externas, se não selar um acordo com a Turquia", justificou Merkel, antes de viajar.

Ancara também espera concessões europeias em troca do seu apoio na solução da crise de refugiados. Entre as reivindicações do governo turco, estão isenção de visto para cidadãos turcos e a reativação do processo de adesão à União Europeia, além de ajuda econômica para manter campos de refugiados.

Na sexta-feira, os chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE)

chegaram a um acordo

sobre um plano de ação com a Turquia para a crise de refugiados, prevendo acelerar a flexibilização da exigência de visto para cidadãos turcos. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ressaltou, no entanto, que a medida depende diretamente da eficácia na diminuição do fluxo de refugiados.

Além disso, o plano prevê a liberação de ajuda financeira para conter o fluxo migratório. A Turquia exige 3 bilhões de euros. Juncker afirmou que valores ainda não foram acertados. A UE teria oferecido ao governo turco 1 bilhão de euros para garantir a colaboração na crise migratória. Entretanto, o governo turco ressaltou que não há um acordo acertado e que o plano de ação comum é

apenas um "esboço"

, que ainda está em fase de negociação.

MD/efe/dpa

Leia mais