1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel busca apoio turco para enfrentar crise migratória

Sob pressão em sua própria coalizão de governo e perdendo apoio entre os alemães, chanceler federal recebe premiê da Turquia, país por onde passa a maioria dos refugiados que chegam à Europa.

default

Angela Merkel e Ahmet Davutoglu: questão migratória será central no encontro desta sexta-feira

Diante da constante

pressão doméstica

para que mude sua política migratória, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, busca nesta sexta-feira (22/01), em Berlim, o apoio da Turquia para tentar lidar com o fluxo de refugiados.

Merkel receberá o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, e a questão migratória estará em pauta, como confirmou a ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen, em visita na quinta-feira à Turquia.

Em várias ocasiões, a chanceler disse que a Turquia desempenha um papel fundamental na resolução da "tarefa histórica" ​​de lidar com a crise migratória – a maior desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

A Turquia faz parte hoje da principal rota de chegada de refugiados à Europa. Em 2015, mais de 840 mil passaram pelo país e desembarcaram na Grécia, antes de rumarem para outros países da União Europeia.

De acordo com a agência da ONU para refugiados (Acnur), cerca de 2 milhões de Sírios chegaram à Turquia nos últimos quatro anos. Na quinta-feira, antes de embarcar para Berlim, Davutoglu cobrou "passos concretos" da UE para ajudar seu país a lidar com a crise migratória.

Sob pressão dentro de sua própria coalizão de governo, Merkel está perdendo apoio entre os alemães. Pesquisa encomendada pela revista Stern constatou que apenas 44% dos entrevistados consideram Merkel a figura ideal para ocupar a chefia de governo – quatro pontos percentuais a menos que na enquete anterior.

Na pesquisa – que simula uma votação fictícia nos moldes de uma eleição presidencial – pela primeira vez o partido Alternativa para a Alemanha (AfD), populista de direita, despontou com 10% dos votos em nível nacional.

RPR/dpa/ots

Leia mais