1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Mercosul põe os pés na Europa

Mercosul inaugura, em Berlim, seu primeiro centro de promoção comercial no exterior. O representante brasileiro, Mário Vilalva, comenta as finalidades do escritório na Embaixada Brasileira.

default

Logotipo do Mercosul

A primeira sede do Mercosul no exterior é um projeto-piloto a ser implantado posteriormente em outros países. O centro de promoção comercial, a ser conduzido por diplomatas do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, visa a promover as relações comerciais com a União Européia e, em particular, com a Alemanha, onde a cota de importação do Mercosul é de apenas 0,91%.

Apesar de o principal obstáculo do intercâmbio comercial entre o Mercosul e a UE – o protecionismo agrícola europeu – ser um problema a ser enfrentado em cúpulas internacionais, o embaixador Mário Vilalva, chefe do Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty, considera fundamental uma infra-estrutura que estabeleça contatos entre empresários de ambos os continentes.

DW-WORLD – Por que o Mercosul escolheu a Europa para sediar sua primeira representação no exterior?

VILALVA – A Europa tem sido tradicionalmente o principal parceiro comercial do Mercosul, e a Alemanha, sua principal parceira no contexto europeu. Então, consideramos que a primeira experiência do gênero, o primeiro centro de promoção comercial do Mercosul deveria ser em Berlim. E a partir de Berlim vamos prospectar não apenas o mercado alemão, mas também outros mercados importantes na Europa.

DW-WORLD – A escolha representa um gesto político, uma espécie de investimento nas relações com a Europa, sobretudo diante das difíceis negociações com os Estados Unidos sobre a ALCA?

VILALVA – Sem dúvida nenhuma, a abertura do escritório comercial aqui na Alemanha tem um sentido político tanto para o Mercosul, quanto para a relação do Mercosul com a Europa e com a Alemanha, em particular. De todo o comércio do Mercosul, 20% é o comércio intrabloco e 80%, extrabloco. Muito foi feito até agora pelo comércio intrabloco, mas pouco havia sido feito em relação a estes 80% que constituem o comércio com outros países. Então, consideramos que era o momento de termos uma ação específica através deste centro de promoção comercial conjunta, para prospectar novos nichos de mercado.

DW-WORLD – Em que consiste concretamente o trabalho do centro?

VILALVA – Este centro terá o trabalho concreto de organizar missões comerciais à Europa e à Alemanha, providenciar pesquisas de mercado e de determinados produtos que têm chance de penetrar no mercado europeu. Também vamos considerar a participação conjunta em várias feiras internacionais que se realizam na Alemanha e em outros países da Europa. Enfim, vamos procurar participar de todo importante evento que mereça a representação do Mercosul.

DW-WORLD – Em quais setores as relações comerciais entre Mercosul e UE podem ser intensificadas a curto prazo?

VILALVA – Temos vários setores que serão objeto de estudo mais específico: o setor de couros e calçados, de madeira e suas manufaturas, de alimentos, em especial frutas frescas, além de setores ligados a equipamentos eletrônicos. Nossas missões na Alemanha vão se basear nestes estudos de inteligência comercial, a fim de apurarmos previamente quais produtos têm chance concreta de penetração no mercado alemão e nos mercados prioritários dentro da Europa.

DW-WORLD – Até que ponto o centro poderá colaborar para a agenda de negociações político-econômicas entre Mercosul e UE?

VILALVA – Acho que ele representa uma grande contribuição. Em primeiro lugar, pelo fato de que a existência de um centro e de uma operação de promoção comercial conjunta tende a criar uma solidariedade entre os empresários do bloco. Os empresários do bloco tendem a competir entre si na disputa dos mercados internos do Mercosul, daqueles 20% que mencionei. Mas quando vão procurar novos mercados, eles tendem a se dar as mãos, a vestir a mesma camisa. Então cria-se naturalmente uma solidariedade entre os empresários. Vamos juntar, por exemplo, a minha produção com a sua produção, procurar ser mais competitivos, formar consórcios de exportação, conferir as nossas cadeias produtivas e ver onde podemos fazer ajustes.

A promoção comercial conjunta é um ator coadjuvante das negociações comerciais, que procuram conquistar mercados mediante a eliminação de tarifas ou de barreiras não tarifárias. No momento em que se atingem estas metas, é preciso haver uma ação de promoção comercial. Ou seja, não adianta conquistar o mercado em tese, sem efetivamente ter uma operação capaz de promover aquele produto no mercado conquistado.

Leia mais