1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Mercado de trabalho alemão sob bom signo em 2008

Os empregados na Alemanha continuarão colhendo os frutos do boom econômico de 2007. Somente a partir do segundo semestre de 2008 se fará sentir a reação dos empresários à desaceleração conjuntural.

default

Filas em agências de trabalho tendem a diminuir

Se tudo correr bem, 2008 poderá ser um ano de recordes para o mercado de trabalho alemão. Projeções estatísticas prometem níveis ocupacionais sem precedentes, desde a Reunificação nos anos 1990. Os salários também deverão crescer sensivelmente.

Assim, segundo a Agência Federal do Trabalho (BA), mantém-se a tendência iniciada no ano anterior, apesar de diversos sinais conjunturais de advertência. Quase 5 milhões de desempregados, na média de 2007, continuam sendo um número assustadoramente elevado, porém bem menos do que os 6 a 6,5 milhões dos anos anteriores.

Em 2007, 39,7 milhões de cidadãos da Alemanha tiveram trabalho, e este número deverá ultrapassar os 40 milhões em 2008. Para tal, a situação do mercado de trabalho nem precisa bater novos recordes, mas sim apenas manter um pouco mais a tendência vigente.

Reação retardada

Este prognóstico otimista se mantém, ainda que a economia se desacelere, como já é esperado para os próximos anos. Mesmo neste caso, mais pessoas continuarão encontrando emprego no país.

Os números do mercado de trabalho são considerados um índice conjuntural de efeito retardado. Pois normalmente demora um tempo considerável até as empresas corrigirem para baixo seus programas de contratação, ou mesmo começarem com cortes de pessoal.

O mesmo se aplica ao desenvolvimento salarial. Como grande parte dos acordos salariais vale por um a dois anos, também ocorre um hiato correspondente até que empregadores e sindicatos possam reagir a mudanças conjunturais.

O economista do DZ Bank Bernd Weidensteiner assegura que a reação dos empresários à desaceleração conjuntural não se fará sentir nos primeiros dois meses de 2008. "Porém a longo prazo – em seis a nove meses – também o ritmo do mercado de trabalho se reduzirá", prognostica.

Correndo atrás da inflação

Deste modo, 2007, ano de boom econômico, trouxe apenas aumentos modestos para a maioria dos assalariados, abaixo dos 2%. Para os funcionários públicos, por exemplo, vigoraram os acordos comparativamente baixos do ano anterior. Isto significa que, descontada a inflação bastante elevada, os empregados dispõem, em média, de menos dinheiro do que antes.

Porém 2008 poderá marcar uma virada. O Instituto Alemão de Pesquisa Econômica (DIW) prevê aumentos de cerca de 2,5%. Como a inflação prevista circula em torno dos 2,0%, este seria o primeiro aumento salarial real, em vários anos. Contudo, a previsão não passa de um índice médio, de que os acordos efetivos poderão diferir fortemente, segundo o setor ocupacional ou a região em questão.

A firma Manpower, mediadora de trabalho temporário, anuncia, para o primeiro trimestre do ano, perspectivas excelentes nos ramos financeiro e imobiliário, empresas de energia e abastecimento e na construção civil. A Manpower consulta as empresas regularmente quanto às suas necessidades de pessoal.

Segundo as mesmas fontes, certos setores possivelmente empregarão menos pessoas no início de 2008. Estes incluem o comércio, hotelaria, agricultura e silvicultura, assim como as empresas de mineração e matérias-primas. (av)

Leia mais