1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mensagem final da Conferência Internacional sobre a Aids traz esperança sobre cura

Progressos em pesquisas e financiamento do tratamento foram os principais temas do evento bianual. Início imediato do uso de antirretrovirais pode garantir mais qualidade de vida e economia no tratamento da doença.

COMMERCIAL IMAGE - In this photograph taken by AP Images for Aids Healthcare Foundation, marchers parade towards the Capital in the Keep the Promise on HIV/Aids Rally March on Washington, Sunday, July 22, 2012, in Washington. (Steve Ruark/AP Images for Aids Healthcare Foundation)

Welt-Aids-Konferenz Washington USA 2012

A Conferência Internacional sobre a Aids terminou na sexta-feira (27/7) com otimismo quanto aos progressos alcançados para a descoberta de uma cura, mas também com preocupação sobre financiamento adequado para o tratamento dos cerca de 34 milhões de soropositivos no mundo.

Para os conferencistas, garantir acesso ao tratamento continua sendo a chave para travar o avanço da epidemia, haja vista que ainda serão necessários alguns anos de pesquisa até que se chegue à cura.

Os organizadores do evento bienal revelaram que novas pesquisas podem resultar, em breve, em uma nova terapia com antirretrovirais. O anúncio ocorreu em meio aos apelos de ativistas para que se amplie o acesso dos medicamentos à população infectada.

A ganhadora do prêmio nobel de medicina Françoise Barre-Sinoussi disse ser "inaceitável" que tratamentos cientificamente comprovados e ferramentas de prevenção ainda não estejam ao alcance das pessoas que mais precisam. Barre-Sinoussi foi uma das descobridoras do vírus HIV e é a nova presidente da Sociedade Internacional da Aids.

Avanços

Etikettierung Antiretroviral-Fabrik (Maputo, Mosambik)

Antirretrovirais previnem transmissão em 96% dos casos

A conferência contou com 24 mil delegados de 83 países, e foi realizada nos Estados Unidos pela primeira vez em 20 anos. Uma das novidades foi o resultado de uma pesquisa realizada com pacientes franceses que começaram a ser tratados com antirretrovirais imediatamente após a infecção pelo HIV.

Passados seis anos, os pacientes interromperam o tratamento e não foi verificado aumento na carga viral. Conforme o estudo, as células destes soropositivos apresentam níveis de HIV similares ao de grupos controlados com antirretrovirais. O estudo é da Agência Nacional Francesa de pesquisa contra a Aids e Hepatites Virais.

"Os resultados sugerem que o antirretroviral deve começar a ser administrado imediatamente após a infecção", disse a diretora da pesquisa Charline Bacchus, que apresentou os resultados.

Outra linha de pesquisa bem-sucedida envolveu o transplante de células-tronco em dois pacientes que estavam sendo tratados contra linfoma, um grave tipo de câncer nas células sanguíneas. O trabalho é coordenado pelos pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard, Timothy Henrich e Daniel Kuritzkes.

Former US President Bill Clinton delivers remarks at the AIDS 2012 Conference July 27, 2012, at the Convention Center in Washington, DC. AFP Photo/Paul J. Richards (Photo credit should read PAUL J. RICHARDS/AFP/GettyImages)

Bill Clinton: crise econômica não pode afetar tratamento da Aids

A pesquisa foi reforçada pelos resultados obtidos no tratamento do norte-americano Timothy Brown contra leucemia. Ele teria recebido células tronco de um doador com uma rara mutação que o tornou imune ao HIV. Brown apareceu publicamente no início da semana para anunciar que estava curado e aproveitar para levantar fundos para a pesquisa. Cerca de 1% da população caucasiana do mundo teria esta imunidade.

Economia

O financiamento internacional para pesquisas e tratamento está sendo afetado negativamente pela crise econômica global e pelas preocupações com a transparência na gestão dos recursos. "Alguns consultores internacionais recebem mais de 600 dólares por dia. Três pessoas poderiam ser tratadas durante um ano inteiro com a mesma quantia de dinheiro", disse o ex-presidente norte-americano Bill Clinton durante a cerimônia de encerramento do evento. Clinton, cuja fundação é engajada na luta contra Aids, pediu maior transparência no financiamento e decisões baseadas em critérios científicos, não políticos.

Ampliar o acesso ao tratamento pode ser um investimento inicialmente bastante caro, mas pesquisadores da universidade norte-americana de Harvard disseram que pode poupar recursos. Segundo divulgado na conferência, quanto mais cedo o soropositivo for tratado, menor seriam os gastos no tratamento de doenças relacionadas à Aids. As "doenças oportunistas" encarecem os custos do tratamento. A pesquisadora Rochelle Walensky, da universidade de Harvard, explica que, com o tempo, esse custo é superado pelos gastos com o tratamento de milhões de pessoas ao longo de décadas.

MP/ape/dpa/ips
Revisão: Francis França

Leia mais