Menos dependente dos países ricos, BRIC provoca inversão de papéis | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 19.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Menos dependente dos países ricos, BRIC provoca inversão de papéis

Estudo do Deutsche Bank sugere que relação entre países ricos e BRIC deve ser repensada. Se antes emergentes dependiam dos desenvolvidos, cenário atual sugere mudança de papéis, apontam economistas do maior banco alemão.

default

Peso do BRIC cresce na economia global

Até pouco tempo, a estrada do desenvolvimento era de mão única. A vitalidade da economia dos países ricos era fundamental para que a situação nas outras partes do mundo também fosse favorável. Mas hoje o cenário é outro, e a dependência dos países emergentes em relação às nações ricas parece estar chegando ao fim.

Um estudo publicado pelo Centro de Pesquisas do Deutsche Bank chama a atenção para a mudança no panorama: "Com o crescente peso das economias emergentes na economia global, essa grande interação de mão única está se transformando numa maior interação de via dupla."

O documento assinado pelo economista Markus Jaeger se debruça sobre as trocas comerciais entre os dois grupos de países e aponta que os emergentes estão se saindo muito bem sozinhos. Enquanto os mais poderosos ainda engatinham para retomar o crescimento, os países em desenvolvimento ditam o ritmo da economia global.

A máxima de que um pequeno espirro do lado dos ricos era suficiente para provocar um resfriado no lado dos emergentes parece não valer mais. E o estudo sugere: "O desempenho recente das economias emergentes também mostra que talvez seja hora de repensar essa relação".

A corrida

Não é mais novidade o fato de os emergentes estarem crescendo numa velocidade superior à dos países ricos. Segundo estimativas da OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, as riquezas acumuladas pelas nações em desenvolvimento corresponderão a 60% da produção mundial em 2030.

Brasil, Rússia, Índia e China merecem atenção especial. Graças à excelente performance do chamado BRIC nos últimos anos, economias tradicionalmente poderosas conseguiram respirar um pouco mais aliviadas depois da severa crise financeira de 2008.

Para os países que formam o G3, Alemanha, Japão e Estados Unidos, o BRIC está ficando cada vez mais importante. Esse grupo de países emergentes, para onde seguem até 20% das exportações do G3, transformou-se um mercado consumidor vital para as nações ricas.

A questão geográfica

No entanto, a Alemanha é a mais exposta ao humor do BRIC. A receita gerada com as exportações para os emergentes chega a 100 bilhões de dólares, 3% do Produto Interno Bruto (PIB) alemão. No caso do Japão e dos Estados Unidos, essa taxa é de 2,5% e 1% do PIB respectivamente.

Deutsche Bank Research Mark Jaeger

Markus Jaeger assina o estudo do Deutsche Bank

Segundo o analista Markus Jaeger, não é difícil enxergar como a geografia tem um impacto na distribuição do comércio e dos investimentos do G3 nos países BRIC. No caso alemão, a dependência de recursos naturais e a produção de alta tecnologia ajudam a criar uma boa relação comercial com a Rússia, por sua vez rica em matéria-prima e dependente de importações de produtos manufaturados, além do interesse do governo russo em modernizar sua economia.

Japão e China se complementam bem, já que os japoneses buscam novos mercados e os chineses precisam de tecnologia – apesar de a relação ainda ser marcada pela rivalidade política.

No caso brasileiro

Os números ainda não foram consolidados, mas o crescimento do Brasil em 2010 foi de pelo menos 7,5%. Ao fim da era Lula, o país disputava com a Índia o segundo posto como economia que mais cresce no G20, atrás da China.

Estados Unidos, China e Argentina são os países que mais importam para o Brasil, com a Alemanha em quarto lugar, segundo dados do Ministério brasileiro de Desenvolvimento.

O último da fila

Os Estados Unidos se beneficiaram pouco da pujança do BRIC. O economista do Deutsche Bank atribui o fato ao "baixo grau de abertura comercial e à pequena reserva destinada a investimentos diretos no exterior em relação ao Produto Interno Bruto." Ou seja, "os Estados Unidos têm que correr atrás", diz o documento publicado esta semana.

A conclusão do estudo pode ser usada também como um conselho: "O papel do BRIC continuará crescendo na economia global, o comércio e os investimentos são os caminhos mais diretos para se tirar vantagem desse cenário".

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais