1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Menino sírio é enterrado em Kobane

Ao lado do irmão e da mãe, Aylan Kurdi, que se tornou símbolo da atual crise migratória, é sepultado em sua cidade natal. "Espero que a minha história faça com que as pessoas ajudem mais os refugiados", diz pai.

Aylan Kurdi, o

menino sírio de três anos que se tornou símbolo da crise migratória

após ter sido encontrado morto numa praia turca, foi enterrado em Kobane, na Síria, nesta sexta-feira (04/09). Além de Aylan, o irmão e a mãe foram sepultados num cemitério da cidade natal da família.

Dezenas de pessoas compareceram ao enterro. Abdullah Kurdi, pai de Aylan e único sobrevivente do naufrágio do barco com 12 migrantes a bordo, também estava presente. Testemunhas afirmaram que ele chorou bastante e beijou os caixões. "Espero que a minha história faça com que as pessoas ajudem mais os refugiados", disse Abdullah ao canal de televisão curdo Rudaw.

Com a tragédia, o sírio abandonou qualquer desejo de deixar a terra natal novamente. "Ele só queria ir à Europa para o bem de seus filhos", disse Suleiman Kurdi, um tio de Abdullah. "Agora que eles estão mortos, ele quer ficar aqui em Kobane perto deles."

Flüchtling Kinderleiche Türkei Bodrum Syrien Kos EINSCHRÄNKUNG

Imagem do pequeno corpo encontrado na praia rodou o mundo

Os corpos da mãe e dos dois meninos foram levados para uma cidade perto da fronteira da Turquia com a Síria, de onde veículos funerários, escoltados por policiais, seguiram até a cidade fronteiriça de Suruc e, em seguida, até Kobane.

Legisladores turcos acompanharam Abdullah até Kobane. Jornalistas e simpatizantes foram parados num posto de controle a cerca de três quilômetros da fronteira. Segundo a emissora Rudaw, a Turquia impediu a passagem de muitas pessoas pela fronteira, embora muitos fossem curdos de Kobane que agora vivem na Turquia.

O corpo de Aylan foi encontrado nesta quarta-feira numa praia de Bodrum, na Turquia. O menino fazia parte de um grupo de refugiados que tentavam chegar até a ilha grega de Kos. As imagens do menino morto provocaram consternação internacional.

Abdullah e a família tinham fugido para a Turquia, de onde tentavam conseguir refúgio no Canadá. A irmã de Abdullah, Teema Kurdi, que vive há 20 anos em Vancouver, disse ter feito o pedido de asilo em nome dos familiares em junhp, que teria sido negado. O governo canadense, no entanto, nega ter recebido um pedido de asilo para a família de Abdullah.

PV/ap/afp/dpa/rtr

Leia mais