1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Memorial ganha museu dedicado a campo soviético de prisioneiros

Responsáveis por museu sobre a história de um dos campos instalados pelos soviéticos em sua zona de ocupação na Alemanha, após a 2ª Guerra Mundial, a ser inaugurado no domingo, estão sendo confrontados com críticas.

default

Sala do novo museu em Sachsenhausen

Será inaugurado no domingo (9), no Memorial do Campo de Concentração de Sachsenhausen, em Oranienburg, no leste da Alemanha, um novo museu dedicado à história do "campo especial soviético nº7/nº1". Os cerca de 600 objetos expostos informam sobre o maior dos campos instalados na então Zona de Ocupação Soviética, após a Segunda Guerra Mundial.

Entre 1945 e 1950, estiveram internados no campo cerca de 60 mil prisioneiros do serviço secreto soviético NKWD, dos quais 12 mil morreram de fome, doenças ou maltratos. Partindo das biografias de 27 prisioneiros, a exposição exemplifica as condições carcerárias, mostrando ainda objetos pessoais, registros de óbitos e mensagens secretas que os presos tentavam passar para suas famílias.

O campo de concentração de Sachsenhausen fora criado em 1936 como instituição modelo da SS. Até 1945, 200 mil pessoas foram aprisionadas lá pelos nazistas durante a Guerra. Milhares morreram, muitas das quais nas câmaras de gás instaladas em 1943. Três meses depois da Guerra, os soviéticos passaram a utilizar as instalações, com exceção das câmaras de gás e do crematório, como campo especial.

Críticas – O Ministério do Exterior da Rússia acusou o Memorial de Sachsenhausen de querer abrandar os crimes praticados pelos nazistas, por meio da exposição sobre o campo soviético. Nada justifica "a intenção dos organizadores de colocar no mesmo patamar os crimes do nazismo e os atos praticados pelos soviéticos em sua condição de potência de ocupação, no âmbito da política de desnazificação e desmilitarização estabelecida de comum acordo pelas potências vencedoras da Guerra", declarou Alexander Iakovenko, porta-voz do ministério russo.

O diretor do novo museu, Günter Morsch, rechaçou a crítica, alegando que a exposição permanente foi organizada em estreita cooperação com o Arquivo Estatal da Rússia.

Vítimas do antigo partido comunista da Alemanha Oriental (SED) criticaram igualmente o museu por diminuir, em sua apresentação, "o sofrimento dos inocentes" presos no campo soviético.

A inauguração, no domingo, contará com a presença de Jutta Limbach, presidente do Tribunal Constitucional Federal, Johanna Wanka, secretária da Cultura do estado de Brandemburgo, e de vários ex-prisioneiros.

  • Data 07.12.2001
  • Autoria (lk)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1Ski
  • Data 07.12.2001
  • Autoria (lk)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1Ski