Membros da OEA mantêm reunião sobre Venezuela | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 04.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Membros da OEA mantêm reunião sobre Venezuela

Apesar do cancelamento pela Bolívia, 21 países-membros da Organização dos Estados Americanos ignoram decisão e aprovam dura declaração contra Maduro. Morales denuncia golpe institucional.

Sessão foi presidida pelo embaixador de Honduras, Leónidas Rosa Bautista, ao lado de secretário-geral, Luis Almagro

Sessão foi presidida pelo embaixador de Honduras, Leónidas Rosa Bautista, ao lado de secretário-geral, Luis Almagro

Depois de a Bolívia cancelar a sessão extraordinária convocada para discutir a crise na Venezuela, 21 países-membros da Organização dos Estados Americanos (OEA) ignoraram a suspensão e mantiveram nesta segunda-feira (03/04) a pauta da reunião.

O encontro aprovou ainda por maioria uma declaração que afirma que a Venezuela enfrenta uma grave alteração inconstitucional da ordem democrática e exige que o presidente Nicólas Maduro restaure a autoridade da Assembleia Nacional.

Dos 21 países presentes, apenas a República Dominicana, Bahamas, Belize e El Salvador se abstiveram. Todos os outros membros presentes da OEA na reunião aprovaram o documento. O texto foi apresentado em conjunto pela Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Estados Unidos, México, Panamá, Paraguai e Peru.

A resolução, o texto mais duro aprovado na OEA contra Maduro, incorpora a possibilidade de empreender "gestões diplomáticas adicionais para fomentar a normalização da institucionalidade democrática", "incluindo a convocação de uma reunião em nível ministerial".

Além disso, o texto indica que, "apesar da recente revisão de alguns elementos dessas sentenças (do Supremo sobre a Assembleia Nacional), é essencial que o governo da Venezuela garanta a plena restauração da ordem democrática".

A Bolívia, Venezuela e Nicarágua deixaram a sala no início da reunião, argumentando que a sessão era ilegal e ia contra a decisão do governo boliviano, que assumiu há dois dias a presidência rotativa do Conselho Permanente da OEA.

Poucas horas antes da sessão, a Bolívia suspendeu o encontro, alegando não recebido as informações necessárias para presidir a reunião. O país é aliado de Maduro.

Após a sessão, o presidente da Bolívia, Evo Morales, denunciou "um golpe institucional" na OEA para impedir que seu país exerça a presidência rotativa do Conselho Permanente desse organismo.

"De novo a OEA foi transformada em Ministério de Colônias. Acontece um golpe institucional quando se impede o exercício da presidência da Bolívia", escreveu Morales no Twitter.

CN/efe/dpa

Leia mais