1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Membros da AfD querem fechar mesquitas na Baviera

Integrantes da seção do partido populista no sul da Alemanha propõem proibição da "construção e operação" dos templos muçulmanos. Líder local da legenda diz que texto é contraproposta de dissidentes.

Membros do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) na Baviera querem proibir a "construção e operação" de mesquitas, segundo publicada nesta quarta-feira (30/03) a imprensa alemã. "O islã não pertence à Alemanha", segundo texto redigido por membros da sigla no estado do sul da Alemanha.

Mais de 30 jornais pertencentes ao grupo de mídia Redaktion Netzwerk Deutschland (RND) informaram que o esboço de um programa do partido da região da Baixa Baviera propõe a "proibição da construção e operação de mesquitas". A AfD tem agendada uma convenção partidária em Stuttgart no final de abril para discutir novas políticas.

Intitulado Coragem para assumir responsabilidade, a proposta de programa de governo afirma que mesquitas são favoráveis ​não só para a oração em comum, mas também "para a disseminação dos ensinamentos islâmicos voltados para a remoção da ordem jurídica" na Alemanha.

Ainda segundo o documento, o Alcorão difunde "mentiras e enganos", e o islã "já chegou, em sua rota declarada para dominação mundial, a 57 de 190 países".

De acordo com a proposta da AfD, quando os autores da Constituição alemã definiram a liberdade de religião, não levaram em consideração que uma religião possa incitar o crime e tente "dominar o mundo."

O RND informou que uma ala mais à direita do AfD, chamada Der Flügel (a asa) foi responsável ​​pela proposta. De acordo com o site do grupo, entre seus membros estão o líder da AfD do estado de Saxônia-Anhalt, Andre Poggenburg, o líder estadual da legenda na Turíngia, Björn Höcke, o vice-presidente do partido em Brandemburgo, Andreas Kalbitz, e o membro do conselho de direção da AfD na Saxônia, Hans-Thomas Tillschneider.

Embora admitindo que sabia da proposta, o líder do partido na Baviera, Petr Bystron, afirmou que o texto é uma contraproposta de membros da legenda que não concordam com a liderança do partido.

Leia mais