Memórias de quem sofreu na pele | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 14.11.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Memórias de quem sofreu na pele

Hans Jürgen Massaquoi, filho de uma alemã e um liberiano, relata em livro suas experiências de criança e jovem na Alemanha nazista.

Neger, Neger, Schornsteinfeger! (Negro, negro, limpador de chaminés!). Esta rima aparentemente inofensiva, conhecida por todas as crianças na Alemanha, é o título da tradução alemã das memórias de Hans Jürgen Massaquoi, que se chamam no original Destined to Witness: Growing Up Black in Nazi Germany (Destinado a testemunha: crescendo negro na Alemanha nazista).

Trata-se da descrição plástica, detalhada, fascinante e convincente das vivências de um garoto que, apesar do nome alemão, tinha um defeito grave na Alemanha nazista: sua pele era escura.

Hans Jürgen nasceu em Hamburgo em 1926, filho de uma enfermeira alemã e neto do cônsul da Libéria na Alemanha. Nos primeiros anos de sua vida, cresceu protegido, na mansão do avô. Quando sua família liberiana retornou à pátria, pouco antes da subida dos nazistas ao poder, o garoto foi morar com a mãe num bairro operário.

No pátio da escola, aos seis anos, foi confrontado pela primeira vez com o fato de ser "diferente": quando as crianças começaram a gritar em coro Neger, Neger, Schornsteinfeger! toda vez que o viam. Custou para que elas se acostumassem com sua aparência e o deixassem em paz. Mas Hans Jürgen nunca chegou a "fazer parte" do grupo, de grupo nenhum naquela época.

"O Führer vai dar um jeito para que a Alemanha nunca mais dê abrigo a essa gentinha traidora e não-ariana como os judeus, os negros e outros excluídos", discursava o diretor da escola perante todos os alunos, olhando firme para o garoto de pele escura.

Maldição e bênção – Foi por causa da cor da pele que Hans Jürgen não pôde entrar para a Juventude Hitlerista, o que queria fazer em seu primeiro entusiasmo pelo regime. Mas tampouco pôde prestar serviço militar, deixando assim de ser convocado para a guerra, da qual muitos dos seus ex-colegas não regressaram. Os bombardeios, o frio, a fome, porém, também fizeram parte de suas vivências até 1948, o último ano que ele aborda em suas memórias.

Massaquoi foi viver nos Estados Unidos, onde fez carreira como jornalista. Ele se sente alemão, mas a cor da pele continua sendo seu estigma, uma vida inteira, mesmo décadas após o fim do regime nazista.

Leia mais

Links externos