Medo freia economia alemã | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 22.12.2004
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Medo freia economia alemã

Institutos de pesquisa econômica prevêem crescimento de apenas 0,9 a 1,5% do PIB para 2005. Situação dos 4,5 milhões de desempregados continua sombria. Quem tem emprego economiza, esfriando o consumo interno.

default

Desempregada à procura de vaga

"A economia mundial registra o maior crescimento dos últimos 28 anos, enquanto a alemã anda a passo de tartaruga. Há uma década a Alemanha enfrenta uma crise econômica que a desconectou do mundo. De 1995 a 2004, foi o país que menos cresceu na Europa Central e Ocidental."

Esta análise do diretor do Instituto de Pesquisas Econômicas de Munique (Ifo), Hans Werner Sinn, reflete o tom geral dos prognósticos conjunturais divulgados esta semana. As previsões para 2005 não são nada otimistas, como mostram dois números-chave: o PIB deve crescer, no máximo, entre 0,9 e 1,5%; e cerca de 4,5 milhões de trabalhadores (10,3% da população economicamente ativa) continuarão desempregados.

Os prognósticos dos principais institutos de pesquisas econômicas do país (Ifo de Munique, HWWA de Hamburgo, RWI de Essen, IfW de Kiel e IWH de Halle) baseiam-se numa ladainha de explicações que parecem prenunciar o final dos tempos, mas ao mesmo tempo se tornam monótonas, de tanto serem repetidas:

  • o aumento das exportações (10% em 2004) não gera novos empregos nem compensa a retração do mercado interno
  • as reformas implementadas pelo governo não melhoram a situação do mercado de trabalho
  • os salários e as contribuições sociais são altos demais e provocam a transferência de empresas para os paraísos da mão-de-obra barata do Leste Europeu e da Ásia
  • o euro supervalorizado e os altos preços do petróleo ameaçam a tímida recuperação econômica
  • a economia sofre sob o peso dos 85 bilhões de euros transferidos anualmente do Oeste para o Leste alemão
  • os cofres públicos estão tão endividados que não têm dinheiro para novos investimentos
  • o excesso de burocracia inibe a criatividade dos alemães.

    Para evitar reações de pânico, as "fábricas de estatísticas" sempre condimentam o ceticismo evidente nos números com pitadas do otimismo propagado pelo governo. A maioria dos analistas vê pelo menos uma única luz no fim do túnel: o provável aquecimento do consumo interno no ano que vem.

    O Instituto de Pesquisas do Mercado de Trabalho, por exemplo, projeta para 2005 o número de 4,37 milhões de desempregados (15 mil a menos que em 2004). Isso "se a economia crescer 1,75%". Enquanto isso, o Deutsche Bank vê até 4,6 milhões de pessoas sem postos de trabalho no ano que vem.

    Clima de incerteza

    No início do ano, o ministro da Economia, Wolfgang Clement, estava convicto de que a grande retomada econômica havia chegado e que a taxa de desemprego iria cair. Na realidade, ocorreu o contrário: a média anual de 4,39 milhões de desempregados superou em cerca de 10 mil a de 2003. De janeiro a dezembro deste ano, o número de desocupados aumentou em 196 mil.

    Por mais que diversifiquem e corrijam suas projeções, um fator psicológico parece embaralhar os cálculos dos economistas: é o medo, alimentado em parte até pelas previsões pessimistas. "Os trabalhadores estão com medo de perder o emprego e o clima de incerteza é generalizado. O medo se alastra e inibe as pessoas de comprarem bens de consumo duráveis. Em vez de arregaçar as mangas, muitos andam cabisbaixos. E isso é veneno para a conjuntura", diz Hans Werner Sinn, do Ifo.

Leia mais