1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mario Monti não descarta assumir novamente o governo da Itália

Após a dissolução do Parlamento italiano e o anúncio de novas eleições, premiê demissionário critica Berlusconi e diz que se fosse convidado para chefiar um novo governo, levaria a proposta em consideração.

O demissionário primeiro-ministro italiano, Mario Monti, disse neste domingo (23/12) a jornalistas em Roma que não descartaria se candidatar nas eleições parlamentares marcadas para fevereiro.

"Se uma ou mais forças políticas indicarem meu nome como primeiro-ministro, então eu poderia considerar essa hipótese", declarou a jornalistas o ainda premiê Monti, que também é senador vitalício sem partido. Dessa forma, o italiano deixou claro que se os partidos que apoiam suas medidas de combate à crise de endividamento o convidassem para chefiar o novo governo após as eleições parlamentares, ele levaria a proposta em consideração.

O político italiano de 69 anos disse ainda que "não estar ligado a nenhum partido", mas que ele estaria disposto a "assumir responsabilidades" caso fosse indagado pelo próximo Parlamento. Monti declarou, no entanto, que não poderia aceitar a oferta de seu antecessor, Silvio Berlusconi, de ser o principal candidato de uma coalizão de partidos de centro-direita.

Parlament Rom Italien

Presidente italiano dissolveu Parlamento neste sábado

Eleições parlamentares

Nos últimos dias, o destino político de Mario Monti foi motivo de grande especulação. Nesta sexta-feira, ele entregou oficialmente sua renúncia ao presidente italiano, Giorgio Napolitano. Monti renunciou após o partido de Berlusconi ter retirado o apoio ao seu governo.

Com a renúncia do premiê, Napolitano abriu o caminho para novas eleições com a dissolução do Parlamento italiano neste sábado. O gabinete de governo de Monti, que ainda continua no poder, marcou então a data das novas eleições parlamentares para os dias 24 e 25 de fevereiro.

Desde que assumira o poder, no final do ano passado, o governo tecnocrata de Monti tentou fazer com que a Itália saísse da espiral de endividamento por meio de um pacote de medidas de austeridade econômica e aumento de impostos.

Críticas a Berlusconi

Ainda neste domingo, Monti anunciou em Roma um plano para novas reformas na Itália e na Europa. Segundo Monti, ele pretende instaurar um programa para "modificar a Itália e reformar a União Europeia". Nesse contexto, Monti disse querer resgatar reformas já em andamento, evitando assim que "perigosos passos para trás" fossem tomados.

O político independente havia assumido o governo do antigo primeiro-ministro Berlusconi em meio à crise financeira, em novembro de 2011. Monti, já havia anunciado anteriormente que iria entregar o cargo após a aprovação do orçamento italiano para 2013.

Nas próximas eleições de fevereiro, Silvio Berlusconi poderá ser novamente candidato. E agora Monti não poupa críticas a Berlusconi. O político demissionário declarou que estaria "perplexo" face às declarações controversas de seu antecessor.

Afinal de contas, disse Monti, Berlusconi teria classificado o balanço de seu governo como "catastrófico", mas alguns dias antes, o próprio Berlusconi o teria convidado a se candidatar para a chefia de um novo governo à frente de uma coalizão moderada.

CA/afp/dpa/dapd/rtr
Revisão: Mariana Santos

Leia mais